domingo, 19 de julho de 2009

SERMÃO DO CASAMENTO.



"Em maio de 98, escrevi um texto em que afirmava que achava bonito o ritual do casamento na igreja, com seus vestidos brancos e tapetes vermelhos, mas que a única coisa que me desagradava era o sermão do padre:
"Promete ser fiel na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, amando-lhe e respeitando-lhe até que a morte os separe?"
Acho simplista e um pouco fora da realidade. Dou aqui novas sugestões de sermões:

- Promete não deixar a paixão fazer de você uma pessoa controladora, e sim respeitar a individualidade do seu amado, lembrando sempre que ele não pertence a você e que está ao seu lado por livre e espontânea vontade?

- Promete saber ser amiga(o) e ser amante, sabendo exatamente quando devem entrar em cena uma e outra, sem que isso lhe transforme numa pessoa de dupla identidade ou numa pessoa menos romântica?

- Promete fazer da passagem dos anos uma via de amadurecimento e não uma via de cobranças por sonhos idealizados que não chegaram a se concretizar?

- Promete sentir prazer de estar com a pessoa que você escolheu e ser feliz ao lado dela pelo simples fato de ela ser a pessoa que melhor conhece você e portanto a mais bem preparada para lhe ajudar, assim como você a ela?

- Promete se deixar conhecer?

- Promete que seguirá sendo uma pessoa gentil, carinhosa e educada, que não usará a rotina como desculpa para sua falta de humor?

- Promete que fará sexo sem pudores, que fará filhos por amor e por vontade, e não porque é o que esperam de você, e que os educará para serem independentes e bem informados sobre a realidade que os aguarda?

- Promete que não falará mal da pessoa com quem casou só para arrancar risadas dos outros?

- Promete que a palavra liberdade seguirá tendo a mesma importância que sempre teve na sua vida, que você saberá responsabilizar-se por si mesmo sem ficar escravizado pelo outro e que saberá lidar com sua própria solidão, que casamento algum elimina?

- Promete que será tão você mesmo quanto era minutos antes de entrar na igreja?
Sendo assim, declaro-os muito mais que marido e mulher: declaro-os maduros."

(Mario Quintana)

sábado, 18 de julho de 2009

Uma lenda indigena



Na aldeia Wapitxana, o ancião segurava uma cuia com algo a lampejar. As crianças curiosas tocavam de leve com medo de se queimarem... O ancião ria e os encorajava; são minerais que refletem a luz, nao queimam!

- Vô! Vô! São pedrinhas bonitas! A gente pode fazer colar? Fazer brinco? Fazer pulseira? Perguntavam as crianças na maior animação...

- Netos, elas constituem o corpo da Mãe Terra! Se retiramos do chão, ficam as feridinhas... Os pajés da natureza tentam curar... E, indagam: - Onde estarão os minerais: o ouro, os diamantes, as esmeraldas? -Netos, vamos logo devolver os minerais para os pajés curarem a feridinha da Mãe Terra...

As crianças correram com mãos cheias de pedrinhas coloridas e as lançaram de volta no córrego, felizes por ajudarem na cura das feridinhas da Mãe Terra.


--------------------------------------------------------------------

(Esta história foi contada por João Américo Peret, indigenista, jornalista e escritor. Peret ouviu esta linda história durante uma de suas andanças por Roraima).

http://www.coolmeia.ning.com/group/culturaindigena

domingo, 12 de julho de 2009

A Lenda do Rio Ave.


A lenda e a foto que trago para vocês hoje foi tirada de um FLOG de

uma amiga virtual chamada Adriana que mora lá na Vila do Conde, em Porto - Portugal. Ele conta, inclusive, que

esta foto foi tirada no Rio Ave, local onde se deu a lenda, rio este localizado há alguns

quilômetros de sua casa.

É muito legal quando amamos a nossa cidade e temos para contar, histórias de onde

moramos. Particularmente, gosto das de terror. Vivo procurando causos para

contar, e você ? Conhece alguma lenda da sua cidade ?


- A Lenda do Rio Ave -


Era uma vez uma menina pastora que veio dos lados de Espanha com o seu rebanho de cabras ate que chegou a Agra. Ficou tão encantada com a paisagem que resolveu ficar por lá.
Num belo dia de sol apareceu um cavaleiro com mais alguns colegas e ao ver a pastora ficou admirado com a sua beleza. Ele cumprimentou-a de forma terna e elogiou a sua beleza. Ela respondeu que não valia o elogio.
O cavaleiro mandou afastar os colegas, desmontou do cavalo e disse-lhe que iria ficar com ela naquele local só para a adorar.
Trocaram juras de amor mas, um dia, o cavaleiro teve de partir.
O cavaleiro prometeu que voltaria sem demora e disse-lhe que não podia viver sem ela.
Ela ficou muito triste e pensando que poderia nunca mais o ver perguntou-lhe o seu nome. Ele respondeu que era conde de uma vila próxima e que brevemente a viria buscar para o seu palácio.
Ela esperou tanto tempo que quase morreu de fome, de frio e de desilusão, também. Angustiada pensou - Preciso de o encontrar, de o encontrar de novo... nem que para isso tenha de ser ave e voar...
Como o seu amor nunca mais chegava chorou tanto que as suas lagrimas se transformaram num rio que foi banhar a terra do Conde que a abandonou: "Vila do Conde".
Para que ninguém se esquecesse do amor entre a pastora e o Conde, povo lembrou-se de chamar a Serra onde viveram o seu grande amor "Serra da Cabreira" e já que ela queria ser ave e voar passaram a chamar ao rio: "Rio Ave".


Acesse: http://www.fotolog.com/silvananunes

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Café : a bebida dos deuses.


O café, para mim, é a bebida dos deuses. Não devo abusar muito, mas pelo menos duas vezes por dia me dou a esse desfrute. Era domingo de tarde, estava dando umas voltas em busca de oportunidades para fotografar, quando o clima meio frio convidou-me a parar e saborear um bem quentinho. Simplesmente magnífico!
O café deste lugar é realmente delicioso, mas o meu é muito mais gostoso ainda.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Minha pitangueira está cheia novamente.


Há mais ou menos dois anos e meio larguei tudo na minha cidade em busca de PAZ. Vivia estressada em meio a buzinas, carros, tiros, assaltos e da falta de tempo das pessoas para com os outros. Um belo dia resolvi me dar um presente: juntei minhas coisas e vim morar na serra. Para isso tive de deixar para traz aquilo que tanto amo - os filhos ( já adultos, estão sempre aqui, mas não é a mesma coisa que a convivência diária, as gargalhadas que dávamos juntos na hora da jantar - eles são muito amorosos, divertidos, felizes) . Fazer o quê, não se pode ter tudo... além do mais, aqui eles não teriam trabalho, assim como eu não tenho; faço o que aparece para que possa pagar o aluguel e comer. Não tenho mais o dinheiro que tinha, mas nada paga a tranquilidade de dormir ao sons dos grilos e acordar com a sinfonia dos pássaros, mesmo que isso tenha me custado o meu equilíbrio financeiro e a distância daqueles que carreguei com tanto amor e dei a vida 9 meses depois.
E esta foto que divido com vocês mostra bem isso - é um dos meus momentos de contemplação: poder colher da árvore um fruto para comer. Não há nada mais maravilhoso do que a celebração e a renovação da Vida.

Saudações Florestais para vocês.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Um tremendo contador de "causos".

video


Conheci Sr. Haroldo Medina quando estava em busca de histórias para contar. E como quem procura, acha... acabei encontrando um tremendo contador de "causos".
Seu Haroldo foi jóquei e quando deu na telha, comprou um pedacinho de terra e levantou o seu barzinho que é todo feito de sucata.
Eu digo que se você ficar 10 minutos ao lado dele, vai dar boas gargalhadas com a sua prosa.
Isso que ele está recitando foi composição dele mesmo.
Uma figuraça !

Conheça um pouco do que é a Bauernfest em Petrópolis.

Mico na bauernfest :
minha filha com o meu genro (namorado da outra filha) no trem da alegria da bauernfest 2009.


video

O que é a Bauernfest ?

Bauernfest é a festa do Colono alemão, em Petrópolis. Essa festa é realizada desde 1990, comemoramos a chegada dos primeiros colonos Alemães à Petrópolis, em 29 de Junho de 1845.

São realizados também apresentações de grupo de dança folclóricos, desfiles pelas ruas da cidade, e também um caminhão de chopp, servindo de graça para todos que o acompanham.

Durante o baile, acontecem diversas atrações, com
o concurso de chapéu mais enfeitado, e também de tomadores de chopp a metro, etc.

A Bauernfest acontece anualmente no final do mês de Junho na praça da Confluência, onde se localiza o Palácio de Cristal, tranformando-se em um verdadeiro burgo Alemão.
A festa esse ano a festa foi realizada entre 26/06 a 05/07/2009: esta foi a 20ª Bauernfest.


Vê se não perde no ano que vem. A cidade fica cheia, a comemoração é muito divertida e pra quem gosta de cerveja...é só cair dentro ( com moderação).
Acaso venha de carro, traga alguém
para dirigir na saída, se bem que a cidade é pequena, se ficar no centro, dá para ir a pé.
O negócio é não perder a festa.
Pena que este ano já acabou.
video

No último sábado, dia 20 de julho de 2009, foram eleitas a Rainha e as Princesas da 20ª Bauernfest. O Desfile contou com 20 inscritas, mas apenas 12 candidatas participaram efetivamente do evento que ocorreu no clube Petropolitano.

A maioria das candidatas, são integrantes dos grupos folclóricos da cidade e algumas descendentes das familias germânicas que colonizaram a cidade de Petrópolis. Contamos ainda com representantes do Rio de Janeiro.