sábado, 15 de maio de 2010

O REI DA JABUTICABA PRETA.


O homem se sentia o próprio Rei da jabuticaba preta. A que ele vendia, era preta de tinir, mais gordinha do que as outras e super doce. A melhor jabuticaba vendida no Mercado Municipal dos Montes Claros. Indiscutivelmente, a melhor e maior de todo o Norte de Minas. A jabuticaba de Antônio de Maria Rita.
O preço das mesmas e
ra salgado, mas o produto de primeira. Só atendia sob encomenda, feita sempre com uma semana de antecedência.
O pagamento era em moeda corrente e no ato da entrega. Dona Belarmina fizera a encomenda e no sábado fora apanhar o produto, para o deleite de suas netas que vieram da Bahia e, chegando ao mercado só encontrou o espaço demarcado vazio.
Nada do rei da pretinha!
No sábado seguinte, lá estava a Dona Bela, bem cedo, fazendo a sua queixa ao Rei da jabuticaba preta. Este, macio que ele só, contou o incidente que lhe havia privado do fornecimento habitual das jabuticabas aos clientes, no sábado anterior.
O fato se dera disse, quando subiu a serra na sua propriedade, como habitualmente fazia nas sextas-feiras à tardinha, para apanhá-las.
Carregou a lata de 18 quilos, de suculentas jabuticabas, aprontou a rodilha de pano na cabeça, ato contínuo, desceu o morro. Lá vai Antônio com a lata de jabuticabas.
Andando a passadas largas nos seixos miúdos no chão da serra, o barulho das alpargatas, chap... chap...chap!
Já escurecendo; só a luz da lua, de repente ao levantar o pé direito em mais um passo, pasmem! Atravessada na trilha, dormindo profundamente, uma onça pintada. Foi Deus que não a deixou acordar com o barulho até então.
O rei da pretinha ficou parado, a lata foi pesando na sua cabeça, o tempo passando, e ele sem fazer barulho para não acordar a “bicha feroz’.
De repente o pensamento fatal! Ela vai acordar de manhã, com a barriga vazia, vai me ver e, adeus o rei da jabuticaba”.
A lata foi pesando, o pescoço afundando, doendo horrivelmente, o desespero chegando, e aí bateu a intuição! Tirou a lata da cabeça calmamente, encostou-a numa moita de unha de gato ao seu lado direito, tudo lentamente; inclinou a lata aos poucos, e as jabuticabas foram escorrendo pelas ramas sem fazer barulho.
Estando o recipiente vazio, virou-o de boca para baixo... Aproximou do escutador da pintada e, emitindo um grito apavorante, deu uma tapa nos fundos da lata: Paaa!...A fera deu um salto vertiginoso; deu um segundo e um terceiro salto, urrando, e desapareceu bufando em desabalada carreira, só se via galho quebrando! O pau cantou na casa de Noca.

Dona Bela que assistira ao trágico relato ficou patética! Pode entender o atraso na entrega da sua encomenda, e conformou com o preço aumentado recentemente do produto; não era fácil conseguir jabuticabas como aquelas. 
Só mesmo o Rei da jabuticaba preta, o primeiro e único da terra do Figueira.


27 comentários:

Oliver Pickwick disse...

Coita da onça, vai precisar de um daqueles aparelhos auditivos, além do mais, o Rei da jabuticaba agiu de maneira politicamente correta, não matou a onça. Como se sabe, é animal protegido por legislação. Genuíno caso de onça para se ouvir tomando um café de pilão e feito na hora.
Um beijo!

Dulce disse...

Silvana

Adorei a história... tadinha da onça, deve ter ficado de tímpano perfurado... rs... E ademais, tamanho susto bem que justifica o aumento do preço do produto, né, não? risos...
beijos

Raquel Salomão disse...

Olá! Agradeço pela visita ao meu blog...
Quanto ao seu texto, excelente! Fiquei até com vontade de comer jabuticaba... rs
=)

»¤Þ䵣䤫 disse...

Hehehehe... O rei foi muito esperto! Depois do perigo que ele passou, acho justo o aumento no preço das jabiticabas! Hihihi...

FOTOS-SUSY disse...

OLA SILVANA, FASCINANTE TEXTO...UMA BELISSIMA HISTORIA...
QUE TENHAS UMA OPTIMA SEMANA!!!
BEIJOS DE CARINHO,



SUSY

Aline Kamaroff. disse...

OLÁ!
Apareça quando quiser.
Adorei seu espaço!
Natureza, cachorro, BOTAFOGOOOO!, literatura.... Muitas coisas interessantes, depois passo com mais calma.
Beijo .

welze disse...

Rei da jabuticaba, rei da conversa fiada e de marketing para subir o preço das frutas, se bem entendi o conto. Muito legal.

Dan disse...

Oi Silvana,

História sur legal. Coitada da Onça que deve ter ficado surda e da Dona Bela e suas netas que ficou uma semana sem suas Jabuticabas e ainda teve de arcar com o preço da aventura.

Abraços

Anabela disse...

muito inteligente,por algum motivo ele era Rei nao é verdade?Fiquei curiosa com esse fruto,nao conheço...,bjs

teu disse...

Coitada da onça nada, o rei é que foi inteligente, afinal não é a toa que ele é rei. rsrsrsrs
Parabéns pelo blogs, esá ótimo.
Brigadhuu pela visitinha, agora que ye sigo, vou esta sempre de olho no seu blog. Bjus

angela disse...

Estas histórias de onça...sei não.
beijos

Daniel Savio disse...

Sera?!

Não sei se teria esta calma toda...

Fique com Deus, menina Silvana.
Um abraço.

Anônimo disse...

Tive um sonho esta noite...sonhei estar montada em um cavalo castanho, a cavalgar num bosque de jabuticabeiras...ele(o cavalo) freiando seu cavalgar , indo devagar ,parou e me permitiu abraçar uma delas...após isso percebi eu estar em um vilarejo ,onde as aguas estavam doentes...Oxun me chamou para ajuda-la e pelo portal encantado sem acordar cá estou...sendo eu outra semente ,sua semente irmã...há sonhos na gente que nada mais é que a vida de verdade...quem duvida ,não sabe nada...não sabe que é quando se dorme que se tem a oportunidade de encontrar tudo que faz sentido para viver a fantasia do estar acordada...confesso que me emocionei tanto , até entupir o nariz, mas não foram lágrimas de tristesa nem dor...foram sim, lágrimas de alegria, por saber que encontrei aqui minha essência, meu sentimento mais puro, minha vida, meu amor verdadeiro...ora que der vou te ligar...para te agradecer pessoalmente este presente encantado...precioso ,que como luz,me clareou mais ainda minha alma de arco-iris, minha alma branca , que tem varios corpos ,corpos de todas as raças,com um toque de realeza, mas a nobreza está no amor...sem isso sou nada...Que sua Felicidade seja plena...e sejamos sementes fortes que façam a raiz da nação indigena , irmã da nação negra... e assim ,nos branquelos ou amarelos, sejamos quem cuida e preserva com fervor esta cultura que faz alegria deste mundo e tem sentimento de terra com cheiro de vento de chuva...assim seja eterna a humanidade sem fronteira alguma ,apenas estrelas num vasto Universo, modesto planeta que por magia tem um páis chamado BRASIL...seja Deus nosso nativo guia ,sejam as estrelas nossos candelabros, sejam os anjos nossos guerreiros,sejam as mães abençoadas a manter pura toda nossa futura genealogia, pura de amor ...seja no futuro um Indio(a) ou um negro(a) o dirigente deste páis...só isso que nos falta...beijos de minha alma a seu coração carioca ... carioca porém universal...pois tens sentimentos sinceros...assim como é sincero o tudo que cada um somos ,sendo todos um....Com amor hellyshabet...

as arteiras disse...

Olá, Silvana!
Meu marcador dos blogs não está mudando quando há novidade nos blogs. Por isso só cheguei agora, pois achei estranho vc não colocar seus textos que gosto muito.
Mas, já coloquei tudo em dia.rsrs
Por alguns momentos fiquei com o coração na mão com pena do homem. Mas, depois fiquei com pena da onça, do baita susto que ela levou. Coitada!
tenha uma linda semana!
Bjs!!!
As arteiras

K disse...

...mas pra onça não acordar com o som das alpargatas, ela já devia ser meio surda! (risos)


é sempre muito bom voltar aqui... lindas histórias!

boa semana!

Lilá(s) disse...

Como sempre estas histórias são excelentes.
Bjs

Bergilde Croce disse...

Oi Silvana,mais uma de suas registrações que quero copiar,possso?Queria contá-la numa dessas noites pros meus pequenos antes de dormir.Adoram estórias desse tipo.Grande abraço da Itália,Bergilde

**£ú® disse...

Vim agradecer sua visita e convidá-la a estar no MEU RECANTINHO mais vezes.
Estive em seus dois blogs, gostei dos dois, mas este me chamou mais a atenção... volterei mais vezes.

Boa semana prá vc

Bj

**£ú®

welze disse...

eu conhecia essas jaboticabas e tinha certeza que tinha sido aqui em seu blog. De qualquer forma, gostei de rever

ValériaC disse...

Adorei a estória...coitada da onça que ficou assustada e o pior...se ela ao menos soubesse o quanto é uma delicia jaboticabas....rsrsrsrs...
Tenha uma linda semana amiga!
Beijos
Valéria

Mizinha disse...

LINDAS SUAS HISTÓRIAS! Espero que não demore muito para voltar, estou com saudades,Boa sorte Amiga, bjs

Socorro Melo disse...

Oi, Silvana!

Muito espertinho esse rei da jabuticaba preta, hein? E a Dona Bela, coitada, caiu no conto do vigário, do malandro, rsrsrs
Muito legal.
;)

Socorro Melo

Doroni Hilgenberg disse...

Nossa menina...
seu blog é tão bom e educativo que nem sei por onde começo a ler e comentar...
adorei o conto . salvo pelo interfone inteligentemente improvisado.heheehh!!!!
bjs

Leci Irene disse...

Outro encanto esta história! Silvana, todos pais deveriam ter "em mãos" estas lindas histórias para contar aos filhos...

tukakubana disse...

Silvana,
Foi distinguida pelo meu blog com um selo. Agradeço que passe no tukakubana para o recolher, obrigada. Abraço
Tuka

Arthur Ferreira disse...

Oi Silvana, tudo bom?
Desculpe a demora para vir até aqui, compreende né?
Que história bacana, muito legal mesmo. Sinceramente, eu não tenho dó da onça coisa nenhuma! Mas acho que o Rei poderia ter seguido o caminho, bem devagarinho, como fez para colocar o pote no chão. rsrsr

Agora é sua vez de me visitar novamente, acesse o blog O Art Anima! http://oartanima.blogspot.com.

to te esperando, e eu volto mais vezes.

VELOSO disse...

Curti muito a história do rei e da onça, ri muito com os comentários também !