sexta-feira, 16 de julho de 2010

QULOMBOLA CAFUNDÓ PRESERVA A TRADIÇÃO.

Um ritual criado há 120 anos une a religião católica e a cultura quilombola, numa comunidade de descendentes de escravos, em Salto de Pirapora, no interior de São Paulo. A festa que celebra a preservação da cultura negra, tem procissão, capoeira e muita dança.
Os últimos raios de sol se perdem no horizonte, e a noite que se aproxima abre espaço para a cultura de um povo. No quilombo Cafundó, em Salto de Pirapora, a tradição está nos pés das novas gerações que aprendem sobre o passado. O jongo era uma dança que os negros faziam nas senzalas, tantos nos momentos tristes, como os de alegria. A capoeira, outra dança que chegou com os escravos, também está presente nessa grandiosa festa.
A todo momento as tradições africanas são preservadas nesta comunidade, que surgiu em 1876, doze anos antes da abolição da escravatura. Naquela época, um fazendeiro da região, libertou 12 de seus escravos e doou algumas de suas  terras, foi o que deu origem a  essas duas famílias que vivem hoje no Cafundó. Atualmente, este quilombo tem 105 moradores, descendentes de africanos e das duas familias que chegaram aqui.
A religião também é relevante nesta cultura, e a celebração mais importante da comunidade é a festa dos padroeiros São Benedito e Nossa Senhora Aparecida. A procissão tem início, e a caminhada é pelas ruas de terra da comunidade. As velas são a única iluminação: homens carregam o andor de São Benedito e andam até a casa mais distante do povoado.
As mulheres saem depois, e carregam a imagem de Nossa Senhora Aparecida. A procissão vai por um outro ponto, onde param a espera, em oração e cantos, a volta dos homens.
A procissão termina na capela da comunidade, quando as imagens dos santos são colocadas no altar. As velas levadas pelos devotos, ficam junto à santa cruz. Logo começa a celebração.

Mais um ano de demonstração de fé. 
A tradição foi mantida.

Fonte: Via Brasil.

25 comentários:

Fernando Santos (Chana) disse...

Belas fotografias e texto sobre uma tradição preservada...Espectacular....
Um abraço

Suziley disse...

Lindas imagens. Salve a tradição, a fé dessa comunidade, os quilombolas!! Um lindo final de semana, beijos ;)

Albuq disse...

Que felicidade que esse povo não deixou morrer sua identidade, cultura e crença.
Acredito que eles fazem toda a diferença ao preservar suas tradições.

Silvana, você poderia depois me dizer a fonte dessa informação? gostaria de ler mais sobre o assunto.

bjs amiga, é sempre bom te ler!

lucidreira disse...

Adoro este tipo de divulgação por parte de pessoas como você, que sabe preservar e dissiminar as culturas em nosso país.
Realmente temos que saber mais sobre os povos que vivem distantaes das civilizações moderna.
Tenho também que elogiar as imagens pois saõ de uma beleza inconfundível.
Parabéns de novo
Abraço

Luis disse...

Amiga Silvana,
Manter as tradições através da cultura oral é algo muito vulgar entre os Africanos! E ainda bem pois de contrário perder-se-iam! Obrigado por ter postado.
Um beijinho amigo.

VELOSO disse...

Tenho a honra e orgulho de poder te acompanhar belo trabalho! Bom final semana!

Jorge disse...

Este nosso país é tão rica de cultura e tradições, graças a Deus!!!
Sinceramente não conhecia esta tradição aqui no nosso interior.

Mais um aprendizado, Mestra!!

Saudações urbanas!!!
Beijo e um excelente fim de semana!!!

ValériaC disse...

Bonito ver a tradição e a cultura sendo mantidas... belas fotos amiga...
Tenha um lindo final de semana!
Beijinhos...
Valéria

manuel marques disse...

Mais um texto *****.

Beijo e bom fim de semana

Deia disse...

Quanto sincretismo, num Brasil que pouco vemos! As fotos estão ótimas, o texto diz o que precisamos saber para podermos apreciar a preservação de uma tradição.
Um grande abraço, Deia.

»¤Þ䵣䤫 disse...

Que saudade Sil, que bacana esse fazendeiro hein, ainda bem que em todos os tempos existiram pessoas boas, que essa área seja sempre preservada! Bjinhos

Silvia disse...

Oi, Silvana
passei para ler e aprender mais um pouco sobre a nossa cultura e para desejar um bom final de semana.
Abraço

Estela disse...

Oi Silvana,
Vim te convidar para conhecer o meu novo blog, "Aroma nosso de cada dia", neste endereço: http://estela-aromanossodecadadia.blogspot.com/
Ficarei Feliz com a sua visita.
Bjs.

cantinhodacasa disse...

Olá.Mais uma história bonita cheia de cultura e tradição.
Em qualquer parte do mundo, jamais deveria ser esquecida a tradição.
Penso que o Brasil ainda mantém toda essa cultura de gerações de mistura negra com branca.
A tradição ainda é o que era, diz-se por terras lusas.
Que a modernidade não ultrapasse o de quão belo há nestas cerimónias.
Obrigado pelo texto.
Beijinho

VALVESTA disse...

Olá amada, faz tempo que tu não aparece e eu senti tua falta, amei teu blog, bem tropical, voltarei, beijos.

**£ú® disse...

"Só por amor, escolhe teu destino!... A tua vida merece ser ungida pelas chances deste sentimento único e total." ... acabei de postar... vale a pena conferir ... bj de boa semana ... **£ú®

LUCONI disse...

Muito bom este seu texto fiquei maravilhada com esta comunidade que conseguiu preservar sua tradição, sua fé, como isto é importante, parabéns por compartilhar, beijos Luconi

Albuq disse...

Oi Silvana,

indiquei um selinho prá você, passa lá prá pegar!
bjs

Socorro Melo disse...

Silvana!

Desejo-lhe, antes de tudo, um feliz dia do amigo!

Adorei conhecer a história, e um pouco da cultura Quilombola Cafundó.

Beijos
Socorro Melo

Mari Amorim disse...

O Amor nunca deverá ser responsabilizado por dores,perdas ou danos e tem amplos poderes para neutralizar todas as batalhas, sejam elas emocionais, familiares ou sociais...FELIZ DIA DO AMIGO,
BOAS ENERGIAS!
Beijos,
Mari Amorim
Brincando Com a Rima

Pérola disse...

Estou com saudades de ti,pq sumiu?
Feliz dia do amigo.
Um beijo grannnnnde.

Clecilene Carvalho disse...

Amigos - Vinícios de Moraes

Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos.
Não percebem o amor que lhes devotoe a absoluta necessidade que tenho deles.
A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.
E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos !
Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências ...
A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem.
Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida.
Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar.
Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabemque estão incluídos na sagrada relação de meus amigos.
Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure.
E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários,de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí,e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida.
Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado.Se todos eles morrerem, eu desabo!Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles.
E me envergonho, porque essa minha prece é, em síntese, dirigida ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.
Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles.
Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos,cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim,compartilhando daquele prazer ...
Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado,morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente, os que só desconfiam - ou talvez nunca vão saber -que são meus amigos!
A gente não faz amigos, reconhece-os.


LEMBREI-ME DE VC E VIM DESEJAR FELIZ DIA DO AMIGO.

Doroni Hilgenberg disse...

Que maravilha
é assim que esses povos de descendencia africana mantêm suas tradições através de gerações e gerações, pois "Um povo sem cultura é um povo sem Pátria". Embora estejam no Brasil, não renegam sua origem.

bjs

Ariany disse...

Olá, Silvana

Meu nome é Ariany, eu represento o Blog Vestibular, da FECAP (Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado).
Primeiramente lhe parabenizo pelo seu excelente blog repleto de cultura e gostaria de convidá-la a conhecer e opinar num ambiente repleto de informações sobre educação: http://blogvestibularfecap.blogspot.com/

Conto com a sua visita!
Até mais!

Daniel Savio disse...

Não sabia que ainda existia quilombos no Brasil, pois sempre pensei que existiam devido a luta com a escravatura (e como no termo das leis, ela foi extinta, não haveria necessidade de existir algum quilombo)...

Fique com Deus, menina Silvana Nunes.
Um abraço.