sexta-feira, 9 de julho de 2010

BARÃO DE JUPARANÃ: UMA CIDADE ONDE TODOS SÃO PARENTES.


Uma história antiga une as pessoas do município de Valença, no Estado do Rio de Janeiro. Lá, os moradores costumem dizer que todos são primos.
E não é que é verdade?
É porque quase todos os moradores são descendentes do Barão de Juparanã. Considerado uma pessoa excêntrica, Barão de Juparanã morava sozinho, e quase não saía de casa. Mas, segundo pesquisas, teve 25 filhos com cinco escravas alforriadas por ele. E os descendentes lutam para preservar a história da família. 
A cidade foi batizada com seu nome - Barão de Juparanã - ,localizada no distrito de Valença, no Estado do Rio de Janeiro, um vilarejo que cresceu numa fazenda no século XIX. O que Barão de Juparanã tem de especial são os moradores, pois a maioria das pessoas descendem do mesmo sobrenome - Nogueira da Gama. Manoel Jacinto ou Barão de Juparanã, teve 25 filhos e todos moraram neste lugar. O jovem branco de uma família influente do Império, teve seu primeiro filho aos 19 anos de idade. A última filha, nasceu dois meses depois de sua morte, em 1876. 
Um homem que enfrentou a sociedade da época, porque tinha cinco escravas alforriadas, e  com elas essa filharada. Relatos dizem que ele as tratava muito bem: levava para passear de carruagem, as vestia com modistas de Vassouras e Valença. Enfrentava o preconceito com a maior simplicidade.
E todos os seus herdeiros receberam a sua parte quando  morreu em 1876. A Fazenda Santana, uma de suas propriedades, foi dividida, cada um recebeu um pedaço de terra. 
Ainda hoje, há quem mantém na família recordação do passado, um passado que renasce:  a família nobre do Barão Manoel Jacinto Nogueira da Gama e suas cinco esposas negras, ex-escravas.

Fonte: Via Brasil.

30 comentários:

Renata Boechat disse...

Olá Silvana

Bom dia!

Você esteve um pouco ausente de nós...fez falta viu?

Eu gosto muito de ler "os causos que voce ouviu dizer"...

Vem sempre contar pra nós,mais um pouco de cultura não é ruim nem nada!

Um abraço,
Renata

Suziley disse...

Oi, Silvana que história interessante. Um bom dia para você, beijos ;)

Albuq disse...

Oi Silvana, resolveu o prol do seu computador? já estava com saudades de seus textos!

Engraçado é que a memória das pessoas que contam essa história é fantástica, porque vem de avó, de bisavó, de tios, e a partir desse emaranhado de história se remonta toda a história do município.
Muito interessante.
bjsss

Ps. Essa blogsfera fica mais rica com seus textos, não suma viu!

Eliana Pessoa disse...

GOSTEI DESSE BARÃO POIS ELE Ñ TINHA PRECONCEITO!
NAQUELE TEMPO ELE FOI MUITO CORAJOSO!
BEIJO

C@urosa disse...

Olá querida Silvana, esse barão gostava de amar, uma história bem curiosa. Valença, também é conhecida por fabricar uma linguiça muito gostosa e foi neste município que Santos Dumont foi batiza, parabéns, mais uma vez pela sua bela postagem.

forte abraço

C@urosa

C@urosa disse...

Olá querida Silvana, esse barão gostava de amar, uma história bem curiosa. Valença, também é conhecida por fabricar uma linguiça muito gostosa e foi neste município que Santos Dumont foi batiza, parabéns, mais uma vez pela sua bela postagem.

forte abraço

C@urosa

Fatima disse...

Sil,
tem povoados aqui em Minas que é assim tb, todo mundo é parente, não pelo mesmo motivo desta cidade do Rio é claro.
Bjs.

Vitor Chuva disse...

Olá Silvana!

Bom dia!
Ao que parece a Internet parece estar mais próxima da Silvana, ou a Silvana da Internet, já que aqui temos mais uma história saborosa desse tal barão de juparanã.
Não admira que o senhor não fosse muito dado a a sair de casa; 25 filhos para fazer sempre lhe devia ocupar uma boa parte do tempo - coitado do homem, que enorme sacrifício ...
Gostei muito, é bem interessante a história.

Beijinhos.
Vitor

Beta disse...

ADOREI esta história!!!
legal mesmo!!

bj

Jorge disse...

Silvana,

muito legal este texto.
mais um aprendizado. Aqui é uma verdadeira escola onde muito aprendemos.
Obrigado e saudações urbanas!!!

Beijo!!!

Luis disse...

Minha Querida Amiga Susana,
Linda história esta em que um Nobre enfrentou a sociedade alforriando escravas e que as tratava bem. A filharada também acabou por ser bem tratada apesar de todos serem primos e primas. Os seus descendentes devem, no entanto, acautelar-se com os perigos da consanguinidade que podem existir nestes casos.
Um beijinho amigo.

Jaime Guimarães disse...

Oi, Silvana!

Tem uns lugares no sertão baiano que ERAM assim ou ao menos a maioria dos habitantes da cidade ou povoado são parentes.

Quando criança eu mesmo passava férias num povoado grande em que quase todo mundo era primo...rs

Abs!

lucidreira disse...

Caso eu tivesse nascido nesta época e fosse de familía abastada, eu faria assim como o Barão. Risadas.
Pela história ele deveria ser um homem de valor e gosto refinado, pois manter cimco mulheres negras e com elas ter 25 filhos dando-lhes o requite da época, só tenho a elogia-lo.
Abraço

manuel marques disse...

Historia bacana.

Beijo e bom fim de semana.

"Hamilton H. Kubo - Profundo Pensar" disse...

E assim se faz o mundo de história daqueles que desafiam a sociedade, tendo em vista a própria humanidade.

Beijos!

xunandinha disse...

OLÁ Silvana,seja bem vinda,olha estou fazendo 1ºano no meu blog passa por lá beijinhos e bem hajas

Dan disse...

Na terra do Drácula muroii eram chamados de vampiros.
Talvez seja um vampiro que suga o sangue!

sonia disse...

Silvana,
Bom dia!
É sempre um prazer visitar seu blog.
Ele é repleto de conhecimentos.
Um beijo e bom final de semana.
Sonia.

as arteiras disse...

Olá, Silvana!
Saudades de vir a este cantinho, mas estou voltando.
Que história linda!
Carinho, amor,sem preconceito por parte do barão.
Poderia dar um livro, essa história.
tenha um lindo final de semana!
bjs!!!
As arteiras

Saozita disse...

Olá Silvana, adorei o seu blogue, as histórias muito bem divulgadas, interessantes e pedagógicas.

Tenha uma boa e linda semana.
Beijinho

Solange disse...

Amiga, com muito carinho e amizade venho te oferecer um selinho "Blog de Ouro".
Passa lá no meu blog para pega-lo, se assim o desejar.Espero que o aceites.
Abração

Sol

Lilá(s) disse...

Gosto muito de aqui vir e aprender sempre algo. Muito interessante sempre.
Bjs

Socorro Melo disse...

Olá, Silvana!

Muito interessante uma cidade onde todos são parentes. Apreciei as características do Barão, um homem á frente do seu tempo,kkkk

Gosto das suas histórias.

Beijos
Socorro Melo

Zen disse...

Olá Silvana, amei a história do barão,aquela região conheço muito, Vassouras,Valença,sou de Três Rios.
O seu blog é lindo,sobre Teresópolis adorei.No Montanha já falei tambem sobre Tere-Fri,são cidades lindas.Bjs.Zen.

**£ú® disse...

Vim prá me desculpar pela ausência ... andei meio adoentada e sem ânimo para passear pelos blogs ... mas como hoje é dia internacional do homem, resolvi fazer uma homenagenzinha a eles ... passa lá em casa, tô te esperando ... bj ... **£ú®

Daniel Savio disse...

Interessante, mas com certeza ele transgrediu não só a parte escravagista da sociedade, mas também a parte da religião (devido a ter quase um harém em casa)...

Fique com Deus, menina Silvana Nunes.
Um abraço.

N@IR disse...

Olá Silvana...Tudo bem? Esse meu vovô X vovô X vovô foi D+ mesmo,pois só a alegria que tive de desfrutar daquele lugar mágico que era a Fazenda de Santana já valeu por tudo...Que lugar maravilhoso,quantas estórias ,eu guardo até hoje ,contadas ao lado do fogão a lenha por tios,primos,meus pais...Foram momentos que permanessem até hoje em meus sonhos... Obs:A origem ,no Brasil,do Barão de Juparanã,vem de Baependi,MG.OK(Marques de Baependi,pai do barão)

N@IR disse...

Olá Silvana...Tudo bem? Esse meu vovô X vovô X vovô foi D+ mesmo,pois só a alegria que tive de desfrutar daquele lugar mágico que era a Fazenda de Santana já valeu por tudo...Que lugar maravilhoso,quantas estórias ,eu guardo até hoje ,contadas ao lado do fogão a lenha por tios,primos,meus pais...Foram momentos que permanessem até hoje em meus sonhos... Obs:A origem ,no Brasil,do Barão de Juparanã,vem de Baependi,MG.OK(Marques de Baependi,pai do barão)

N@IR disse...

Olá Silvana...Tudo bem? Esse meu vovô X vovô X vovô foi D+ mesmo,pois só a alegria que tive de desfrutar daquele lugar mágico que era a Fazenda de Santana já valeu por tudo...Que lugar maravilhoso,quantas estórias ,eu guardo até hoje ,contadas ao lado do fogão a lenha por tios,primos,meus pais...Foram momentos que permanessem até hoje em meus sonhos... Obs:A origem ,no Brasil,do Barão de Juparanã,vem de Baependi,MG.OK(Marques de Baependi,pai do barão)

zezinho do bar disse...

Silvana meus parabens pela matéria moro em juparanã minha esposa,faz parte desta mistureba do barão ela e bisneta do Bernadino nogueira neto legìtimo do barão.um abraço