segunda-feira, 5 de abril de 2010

UMA RECEITA DE FAMÍLIA.

Mais que ensinar a fazer pratos, os cadernos de culinária contam um pouco da história de cada um, afinal trocar receitas também é um ato de contar histórias.
Ao contrário do que se pensa, os primeiros livros de receitas não surgiram em decorrência dos cadernos. Os livros vieram antes. O primeiro de que se tem notícia chama-se "Auspicius Culinaris". 
Surgiu ainda na Idade Média e compreendia um conjunto de receitas reunidas por Auspicius, um festeiro e gourmet dos arredores de Roma, na Itália. 
Mas o livro de receitas tal qual o conhecemos, com ingredientes, quantidades, modos de fazer e ilustrações, foi uma invenção de chefes de cozinha das cortes reais européias, cuja preocupação era conservar as normas de fazer dos manjares, para que futuros chefes de cozinha seguissem o ritmo impecável dos sabores consagrados pelas cortes.
No Brasil, os primeiros livros de receitas vieram parar aqui com a chegada da família real, em 1808, que trouxeram ainda utensílios e alguns ingredientes de cozinha. Aos poucos, a cultura européia da cozinha foi sendo adaptada às condições tropicais da nossa terra. Com o passar do tempo, os portugueses começaram a ensaiar combinações corajosas na culinária e foram adaptando ao seu sabor, ingredientes brasileiros. Na falta de trigo, tentaram usar a mandioca; no lugar da castanha portuguesa, incluíram a castanha de caju. 
Apenas a partir do fim do século XIX, surgem no Brasil os primeiros cadernos de receitas propriamente ditos. Foi quando as mulheres passaram a ser alfabetizadas. As receitas, antes uma tradição oral, começaram então a ser anotadas. Tudo obra de avós ou mães que, ao arrumar o enxoval das filhas ou netas prestes a sair de casa, incluíam como item essencial um caderno repleto de receitas. Eles representam um legado daquilo que foi apreendido pelo gosto da família.  A tal ponto de surgirem iguarias com nomes de famílias, algumas tão antigas quanto os clãs que lhes deram origem.
Algumas famílias guardavam a sete chaves a receita de pratos tradicionais, que às vezes levavam o sobrenome de quem os criou. É o caso do "bolo Souza Leão", por exemplo, cuja fórmula foi guardada em segredo pela família homônima, de Pernambuco, por muito tempo. Sua receita - basicamente mandioca, ovos e muito açúcar - soa como um eco do passado, dos tempos em que, nas casas grandes dos engenhos de cana no Nordeste, sinhazinhas e mucamas iam preparar o doce colocando na mesma panela receitas portuguesas misturadas aos produtos da terra, como o coco e a mandioca. 
Em seu livro "Nordeste", o sociólogo pernambucano Gilberto Freyre diz que essa e outras receitas demoraram a ser popularizadas. "Não só pela sua natureza complexa como pelo ciúme de sinhás donas ilustres que conservam as receitas dos velhos bolos como jóias de família", escreveu Freyre. 
Com o passar dos anos, e em conseqüência do troca-troca de receitas entre famílias e amigas, elas ganharam as páginas dos jornais e revistas e viraram inclusive livros. O segredo do "Souza Leão" passou a ser, definitivamente, conhecido pelo Brasil inteiro no clássico "Açúcar - Uma Sociologia do Doce", escrito por Freyre e publicado pela primeira vez em 1939. 
O popular livro de receitas brasileiro "Dona Benta", foi publicado pela primeira vez em 1940 e chegou, ano passado, a sua 76ª edição. Trata-se de uma das publicações de cozinha mais vendidas no Brasil, com cerca de mil receitas atualizadas e coletadas junto às famílias tradicionais brasileiras.
Sim, cadernos de receitas representam a memória culinária de nossas famílias, seus traços afetivos. São ferramentas para se observar a vida cotidiana do nosso passado e presente. Isso já faz dos escritos culinários, por si só, narrativas preciosas. Um patrimônio. Escritas que nos permitem olhar a comida antes de ela existir e acariciar a idéia de saboreá-la.
Mas, vale dizer, a receita de um prato jamais será uma fórmula exata para se chegar ao mesmo resultado sempre. Porque na culinária, como na vida, conta muito o que não pode ser expresso em palavras: a experiência de quem cozinha, a intuição usada na hora do saber fazer, os pequenos segredos. "Quinhentos gramas de farinha ,menos duas colheres. Depois, esticar a massa até ela ficar da grossura de um papelão", dizia minha avó, se referindo ao seu truque para que a massa do bolo-de-rolo jamais quebre em suas mãos. 
Ah... só que isso não está na receita, não.

(Por  Mariana Lacerda)


........................................................
Bem, como estamos tricotando sobre cadernos de receita, nada mais justo do que passar uma das minhas preferidas. Eu sou fã de bolos.
Esta receita  é de minha vozinha, uma doceira de mão cheia. Infelizmente ela já não se encontra entre nós desde 1985, mas o sabor de seus quitutes permanecem vivos nas nossas mesas até hoje, graça aos tais caderninhos de receitas.

BOLO DE MANDIOCA DA VÓ MARIA.

. 1 xícara (chá) de açúcar.
. 1 lata de leite condensado.
. 5 ovos inteiros.
. 4 e ½ colheres (sopa) de margarina.
. 1 e ½ xícara (chá) de leite.
. 4 e ½ xícaras (chá)  de mandioca crua ralada em tiras (500g).
. 1 e ½ colher (sopa) de fermento em pó químico.
. 4 e ½ colheres (sopa) de queijo ralado.
. 100 g de coco em flocos úmido..

Modo de preparo:

Bata no liquidificador os ovos, o leite condensado, o açúcar e a margarina.
Transfira para uma tigela e misture os demais ingredientes.
Acrescente sobre eles o líquido batido.
Mexa bem e despeje a mistura em uma forma untada.
Asse em forno pré-aquecidode 200ºC.

Agora só falta um cafezinho, hehehe.

Desconheço a autoria da foto publicada acima

76 comentários:

Pérola disse...

Oi amigaaaaaaaaaa.
Vivendo e aprendendo rs.
Maravilhosa postagem,eu amo livros de receitas mas do caderninho eu ñ abro mão rs.
Um beijo amada.

Bordados e Retalhos disse...

Adoro livros de receitas. Louvado seja o primeiro que pensou em colocar no papel, os truques a e forma de fazer os quitutes. Louvado seja que entendeu que cozinhar é uma benção e uma benção maior ainda é partilhar o que se sabe. Adorei o post. Bjs

Eliana Pessoa disse...

ADORO LIVROS DE RECEITAS ,CADERNINHOS DE RECEITA AMEI ESSE POST COMO SEMPRE TUDO DE BOM!!!
BJIM

•.¸¸.•*♥*•.¸¸.• Sanzinha •.¸¸.•*♥*•.¸¸.• disse...

Silvana,

Meu blog completa um ano hoje e você tem parte nisso.
Muito obrigada, de coração, por estar sempre presente!

Beijo grande!

ValériaC disse...

Querida amiga, que delícia...receitas de família...ontem mesmo fizemos um prato maravilhoso que a minha família faz...coisas que as tias e a minha avó faziam antigamente... que maravilha...
Beijos...

Naty Araújo disse...

Ahh que magnífico isso... Vou anotar aqui, nem sabia dessa dica rsrsrs.
Adoro livros de receitas, principalmente os antigos.

Beijos

HSLO disse...

Vou passar para minha mãe...


abraços


Hugo

Ana Lucia disse...

Lindo post como sempre!!Adoro livro de receitas, minha mae cozinhava muito bem mas nao sabia explicar dizia assim faz um refogado???O que é refogado??Mas fazia coisas incriveis como a canjica de Sao Joao a rosca do natal e a deliciosa mae benta..Hoje ela nao gosta mais de cozinhar...Alguma receitas eu ainda sei mas muitas perderam-se... Seria bom se tivesse guardado o caderno mas ela nunca teve um...
Beijo e saudades florestais

Albuq disse...

Oi Silvana, achei muito legal o post de hoje, simplesmente fascinante, me vi viajando nas cozinhas por aí kkkk

Bem, concordo plenamente com a idéia de que o "segredinho" é o que faz toda a diferença, é o que torna um bolo mais fôfo que outro, uma salada super-simples extremamente saborosa... e assim vai. Isso acontece na minha casa. Minha mãe faz uns bolos fantásticos, pego a receita sigo a risca e nada, nem perto chega kkkk

Adorei, adorei o post, primeiro porque fiquei super informada e segundo porque me trouxe recordações óoooooooooootimas.

bjs!!!

manuel marques disse...

Post Fantástico. Beijo.

as arteiras disse...

Olá, Silvana!
Eu tenho o livro da Dona Benta, é 28ª edição. Pertenceu a minha mãe.
De vez em quando recorro a ele.rsrs
Sou formiga e adoro fazer doces.
Muito dez, esta postagem!
Uma ótima semana prá vc!
Bjs!!!
As arteiras

Renata disse...

Silvana,

Boa tarde!
Espero que tenha passado um bom tempo de Páscoa!

Gostei tanto desse seu post, que gostaria de aplaudir de pé...afinal, tem tudo a ver comigo, com o que eu mais gosto, com a minha vida...
Sabe que tenho comigo cadernos de receitas de antepassados meus, que na verdade escolhi herdar, em detrimento de outras coisas,talvez até muito mais valiosas...mas tenho certeza que nada mais fosse tão valioso quanto esses tesouros...
Muito, muito bom post, obrigado por ter me proporcionado uma leitura tão agradável, e que se parecesse tanto assim comigo!

Renata
www.eternosprazeres.blogspot.com

Ana Powell disse...

Obrigada pela visita.
Um excelente post.
Parabéns pelo trabalho x

Canduxa disse...

Silvana, minha amiga,

adorei este post. Esta história sobre as receitas é maravilhosa....obrigado pela partilha e pela receita da sua avozinha.

muitos beijinhos

LUCONI disse...

Menina que blog delicioso o seu, além de muita cultura temos pratos deliciosos, parabéns Silvana e muito obrigada pelo seu comentário no blog, nem imagina como nos incentiva estes gestos de carinho, beijos Luconi

angela disse...

Uma receita fail de fazer...pena a dieta que estou fazendo...
Muito interessante seu texto hoje. Gostei bastante e sabe que ainda tem gente que não da a receita toda...rs
beijos

Emmy S. disse...

Nossa, não sabia que os livros vieram antes, que interessante, realmente livros de receitas sempre tem uma histórinha legal *-*
Adorei o post, cultura é sempre bem-vinda, obrigada pela visita e volte sempre!
beijos

Nice & Ana disse...

Olá Sil, vim te retribuir a visitinha, adorei o seu blog, o nome então é 10, show, tudo é muito lindo, dá prá passar o dia por aqui lendo e esquecer o mundo lá fora, ,parabéns querida, bjkas e uma bela semana p/ vc, ;)...

Eliane disse...

Olá Silvana!
Postagem interessante!
Grata pela receita.
Concordo que o segredo faz a diferença.
Beijos!

Hamilton H. Kubo disse...

Saudações, agradeço muito sua visita ao "Profundo Pensar" e mais ainda ao elogio!
Fico muito feliz!!

E tens toda razão, se pararmos por um segundo para pensar, as receitas são de longa data e possuem sim sua história.

Parabéns pelo Post.
Beijos!

lucidreira disse...

Já capturei e coloquei no meu arquivo.
Irei preparar de acordo com a sua receita, pois gosto muito dela ao nosso modo tbm. Na nossa só não leva leite condensado.
Abraços

Sônia Silvino disse...

Mas que interessante, amiga!
Sempre belos textos!
Bjkas, muitas!

SAM disse...

Achei interessantíssima a sua pesquisa. Gostei de saber, porque amo aprender! Só não consigo aprender nada na cozinha hahahahah, e igualmente adoro doces. Minha mãe é fera nesta arte! E é tão gostoso um agrado, um mimo feito com a energia do amor oferecido aos que amamos! Vou anotar a receita!


Beijos e ótima semana, amiga.

welze disse...

olá querida Silvana. Adorei demais da conta o texto sobre os livros e cadernos de receita. Tudo inusitado para mim. Tenho, herança da mamãe, um livro de receitas da Dona Benta, COMER BEM, que pelos meus cálculos tem mais de 50 anos. ADORO. espero que tenha passado uma feliz Páscoa. boa semana

Pétala_Rosadinha disse...

Eu já tive alguns livros de receita... muito bacana, capa artesanalmente decoradinha, eu adorava. Com o tempo, perdi o costume.

Belíssimo post, Sra. Cultura...rsrs.

Beijo.

Ana Pallito disse...

omingo próximo porei a mão na massa.
Bjs
Ana

Pimentinha Brasileira disse...

Tudo muito lindo por aqui.
Conheça o meu blog. Criei ontem.
Obrigada!
Bom dia!

M. Lourdes disse...

Olá Amiga
Já passaei a receita e vou experimentar de certeza. Sou muito gulosa.
Beijinhos
Lourdes

Lilazdavioleta disse...

Olá Silvana ,

tudo é cultura . Então a passada de boca a orelha , mais interessante .
E os segredos ... que por vezes só têm a ver com a pessoa que confecciona , pois cozinhar é magia.

As minhas são mais simples , pois sou macrobiótica , mas , também , têm os seus segredos .

Uma óptima semana ,

Maria

Fla disse...

Olá, tudo bem?
Poxa, que interessante, não conhecia a história dos cadernos de receita. Muito bacana!
E essa receita de bolo deve ser maravilhosa hein?! Adorei.
Beijos,
Fla

Rosa disse...

Oi Silvana!
Seu post está maravilhoso, como sempre. Meu caderninho de receitas está sempre a vista, registro todos os segredinhos que aprendo, sempre faz a diferença na hora de preparar um bom prato.
Ah, tb quero aproveitar para convidar você e seus leitores para participar do Dia do Plantio.
O Dia ENO de plantar árvores ocorrerá globalmente em 150 países em 21 de Maio de 2010 ao meio dia. As primeiras árvores serão plantadas na Oceânia. À medida que a Terra gira, o plantio continua na Ásia, África, Europa e finalmente nas Américas . Ao longo do dia, o mundo caminha rumo a um estilo de vida mais sustentável.
O plantio das árvores não é um evento isolado. As árvores serão cuidadas e seu crescimento será acompanhado no futuro também. O plantio será registrado e as experiências compartilhadas.
Venha participar com a gente!
Mais informações: http://www.enotreeday.net/
Rosa.Sousant@enoprogramme.org
maonaterra.blogspot.com
bjs

Jr Vilanova disse...

Interessante seus posts porque sempre estão sob uma ótica histórica, cultural e isso é uma característica muito legal do seu blog! Até uma simples receita vira um motivo de aprendizado!
Adorei!
Beijos,
Jr.

Estela disse...

Silvana,
Que linda postagem! Parabéns!
Os cadernos de receitas exercem um grande fascínio nesta época tão corrida em que hoje vivemos. Eu adoro ver cadernos antigos de receitas, principalmente aqueles que tem umas manchinhas de gordura, de ovo ou de açúcar...
Adorei!
Bjs.

Rosa Carioca disse...

Tão bom!

Amapola disse...

Boa tarde, amiga Silvana.
Que lindo... fechou com chave de ouro, terminando a matéria com o bolo da sua avó. Vou copiar, e guardar com o maior carinho. Vou fazer também, é claro... (sou ruim, na cozinha), mas coisas da vovó, sempre fazem milagres.

Um grande abraço.

C@urosa disse...

Olá minha querida Silvana Nunes, e que belas são as histórias da culinária brasileira, ouvi muitas da minhas tias doceiras.

Paz e harmonia em sua vida,

forte abraço

C@urosa

Naty Araújo disse...

Comi um pedaço do meu texto lá no blog hahaha.
Dá uma olhada no restante pra saber quem era o ídolo e alguns outros "apetrechos" rsrs.

Beijos.

Junia Ansaloni disse...

Nossa que delicia de texto !!! Delicia de receita...Adorei aqui tambèm...Bjim

orvalho do ceu disse...

Oi, minha querida
Isso é tudo de bom!
Vou fazer com rapidez, nesse friozinho de outono, hum! Que delícia... quer um café com um pedaço do bolo com que nos brindou?
Vou enviar onlinne, heim?
Bjs

Luciana disse...

Oi Silvana
Tdo bem cntigo?

Uma ótima semana pra ti amiga

Bjs
Lu

Vitor Chuva disse...

Olá Silvana!
Obrigado pela visita ao meu blog. E estou desapontado que não consiga abrir o texto mas, sinceramente, também não sei como ajudá-la ...
A culinária, e tudo a que ela se encontra associado, é sempre parte integrante da cultura e identidade dum país.A ela estão ligadas profissões, modos e nível de vida dum povo, actividades culturais a ela associadas.
Á volta da comida e da mesa, passamos alguns dos mais saborosos momentos da nossa vida, já que a eles estão tantas vezes associados família, amigos, momentos felizes
das nossas vidas - as pessoas que contribuiram para esses gostosos momentos ocupadas na cozinha ... tanta coisa!
E, agora, quanto a boa comidinha,
o seu bolinho está mesmo com um aspecto apetitoso; só é pena que se lhe não possa deitar a mão ...

Está lindamente escrito ... como é costume!

Beijinhos.
Vitor

Dani Etoile disse...

Bolo de mandioca tem carinha de avó, tão tão tãaaaaaaaaaaao bom...
Bj
Dani

Luaniinha Lacerda disse...

ah tbm goostei muiito daqui ;)
volte seempre..
adoooro fazer comida e quase sempre fica gostoso ihihhi'
beeeeijos ;*

Brunette disse...

Olá!
Passei aqui para agradecer e retribuir a visita que me fez e fiquei encantada com o que li (e não estou a referir-me só a este post).
Gostei muito de ler esta evolução dos livros de receitas.
Em relação à receita que partilhou, fiquei com vontade de a confecionar!
Bjos

Sofia disse...

Olá, muito obrigada pela visita ao meu blog, e realmente, ficar sem computador é um saco...rsrsrs...
Gostaria de parabenizar pelo texto maravilhoso, os livros de receita são importantíssimos para a história. Não sei se conhece, mas Michelle Perrot em seu livro "os excluídos da história" especificamente no capitulo "a mulher popular rebelde", diz que para os historiadores é muito difícil contar a história das mulheres, pois, no contexto da Europa ocidental do século XIX, estas não tinham voz política e o monopólio dos textos e arquivos estavam nas mãos dos senhores, sendo os textos específicos das mulheres: os manuais de pedagogia, LIVROS DE RECEITAS e contos recreativos ou morais. O que, na minha opinião, é um detalhe a mais para a importância histórica destes livros, com segredos tão saborosos. Fica a dica do livro para ler e que trata de um tema interessantíssimo.
Beijos e uma ótima semana para você também.
Sofia

lita duarte disse...

Oi, Silvana.

Seu blog é muito bom.

Beijos.

helen ps disse...

Que post delicioso! Lembrei-me dos cadernos de receita da família, da minha mãe e das minhas tias, das delícias que aprendi a fazer com elas. Também tenho o meu, que passo para minha filha. Obrigada pela receita do bolo, logo será testada.

Abraço.

PAZ e LUZ

PAPEL E BORRÃO disse...

OI SILVANA BRIGADA POR MAIS UMA VISITA AO MEU BLOG PASSE SEMPRE AS PORTAS ESTARAM SEMPRE ABERTAS VIU! SEMPRE VAI HAVER UMA NOVIDADE POR LÁ PARA LER! ABRAÇOS!

SAUDAÇÕES DE:

http://papeleborrao.blogspot.com/

MEU DOCE AMOR disse...

Hummm....deve ser tão bom.Tenho que experimentar,se bem que nunca tenh muita sorte na culinária.Mas tentarei.

Beijinho doce

Bernardo disse...

Olá Silvana

Muito interessante o artigo, mostra bem claramente como a tradição oral foi importante na incorporação de nossos costumes, lendas e tradições e na concretização da história oficial.
Obrigado pela visita e comentário em meu Blog Quintana Eterno.
Um grande abraço
Bernardo

Felina Mulher disse...

Eu não sou muito de cozinhar,e só cozinho se tiver um caderno de receita do lado;;;kkkk...


Beijos minha linda e obrigada pela visita.

Bernardo disse...

Cara Silvana

Em tempo, seu blog é uma obra de arte e um show de cultura. Parabens.

Maria Valadas disse...

Olá Silvana,

Faço colecção de livro de receitas, e sempre que tenho conhecimento de uma nova... vou apressada tomar nota. Como deve calcular, já o fiz, com o bolo da sua avó. Amanhã vou experimentar.

E vamos vivendo e aprendendo,
Obrigada querida.

Beijos.

Regina disse...

Oi Flor
vou olhar com calma seu cantinho...
Seja sempre bem vinda ao meu blog.
Beijosss

Valéria Gomes disse...

Olá, minha querida!
Que delícia o seu cantinho! Eu acho o bolo de mandioca uma gostosura. Com certeza experimentarei o bolo da tua vozinha querida. Aproveitando a oportunidade, quero agradecê-la pela visita e seguimento. Estou muito honrada pelo teu carinho e atenção.

Beijos e abraços!!!

São disse...

Minha querida, você é mais doce que os bolos que tanto gostamos ambas.

è um mimo este seu post!

Um abraço terno para si.

Fê Dutra disse...

Olá Silvana.
Que espaço delicioso o FOI DESSE JEITO QUE HOUVI DIZER. Voltarei mais vezes.
Sabe que seu post me inspirou a ter um caderninho de receitas?
beijocas

Bergilde Croce disse...

Silvana,obrigada sempre pelo carinho e amizade que se fortalece pelo mundo das blogagens.Sobre culinária, bem eu estou vivendo num lugar de fama e tradição pelas grandes e maiores receitas do mundo,como descrito no inicio de sua postagem,e por aqui se aprende a cozinhar bem nem que não queira...Abraço da Itália,Bergilde

Amapola disse...

Passando para lhe desejar um bom dia.

Um grande abraço.

Aqui na Cozinha disse...

Obrigada pela visitinha. Adorei!!!
Puxa que texto bom, sobre os cadernos de receita e o bolo de vó Maria então, hum.
Beijos
Patty martins

Lu Souza disse...

Olá Silvana,

Primeiramente adorei saber mais sobre as receitas, os livros e os cadernos.
Eu sempre gostei de cadernos de receitas. Perdi o meu a pouco tempo em uma mudança, mas já estou montando outro.
E claro, as minhas preferidas são aquelas que minha mãe me ensinou (minha vó nunca foi muito boa na cozinha não).
E você, pra completar, colocou a receita do meu bolo preferido. Amei.

Gina disse...

Tenho umas receitas bem antigas e sempre que publico, claro que as histórias vem acompanhadas. São reminiscências muito boas de serem lembradas e contadas.
Bjs.

Jean-glés B Moraes disse...

hum... água na boca. hehehe

Lilá(s) disse...

A receita é tentadora mas como fazer agora que todos os dias tenho comido bolos e chocolates? como resistir? mas para já vou guardar religiosamente a receita e parabéns pela maravilhosa postagem.
Bjs

•.¸¸.•*♥*•.¸¸.• Sanzinha •.¸¸.•*♥*•.¸¸.• disse...

Adoro bolo de mandioca!
Vou fazer!

Beijão, Sil!

Sonia Schmorantz disse...

Hoje eu vim foi pegar uma fatia deste bolo maravilhoso ali!
Espero que esteja tudo muito bem contigo.
beijo

Mariazita disse...

Gostei imenso de saber a origem dos cadernos e livros de receitas culinárias.
Assim como gostei muito da receita de sua vovó, que deve ser deliciosa. Preciso experimentar. Quem não vai gostar nada é a dieta :))), mas paciência, um pecadinho de vez em quando dá outro sabor à vida :))))))))))))

Beijinhos

RUTE disse...

Oi Silvana,

obrigada pela visitinha no meu blog. Vim retribuir com agrado. E parei no bolo de mandioca.

Fiquei intrigada com o facto de levar 4 cháv e 1/2 de mandioca ralada. Mas só depois é que percebi que não leva farinha. Que interessante!

Vou ter de experimentar.
Grata pela receita de familia.
Beijinhos e até breve.

Romã disse...

Foi por passar no meu Bago de Romã que conheci este Blog maravilhoso.
Foi sempre de algum jeito que conhecemos alguém, ouvimos histórias maravilhosas , foi sempre por alguém que estamos no mundo...
Parabéns pelo Blogue! Acredita que vou passar por cá mais vezes, já sou seguidora.
Bjnhs :D

Marinex disse...

que delicia de bolo... beijinhos

Jaime Guimarães disse...

Huuuum! Mas que post delicioso! rs A tradição das receitas - e caderninhos que até passam de mãe para filha - realmente representam uma parte significativa de nossa cultura. Um que tratou bem sobre isso foi Câmara Cascudo. Sabe esse hábito que temos de "adoçar" a boca depois das refeições? É herança dos árabes, que foi passada aos portugueses, espanhóis, etc. Muito interessante isso, a culinária é, na maioria das vezes, desprezada da história, mas acaba revelando curiosidades que demonstram as transformações ao longo dos anos.
Bj e que beleza de bolo, hein? rs

Zilda Santiago disse...

Levei a receita!!!!!!!!!!!!!!rsrsrs

Daniel Savio disse...

Não tinha pensando nisto, mas os cadernos de receitas foram importantes...

Fique com Deus, menina Silvana.
Um abraço.

Tite disse...

Silvana,

A água cresceu na minha boca e agora, o que faço?
Estou proíbida pela Nutricionista de comer doces durante 15 dias.

Quando puder vou fazer esta deliciosa receita.

Quero pedir perdão mas já roubei sua foto do pensamento indígena para publicar em meu blog.

Se não gostar me dê penitência, tá?

Beijossssss

Brasil Desnudo disse...

Primeiro quero elogiar se blog...Espetacular!
Agora!
Essas receitas são de dar água na boca, como guloso sou, imagina como fiquei...

Meus parabéns

MARCIO RJ

Si Fernandes disse...

SEU BLOG É UMA ILHA CERCADA DE CULTURA POR TODOS OS LADOS.
ADOREI.
PARABÉNS.