quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

ERINLÉ - INLÉ - IBUALAMA.


Erinlé, o caçador orixá guerreiro,um dia conheceu Orunmilá e tornaram-se amigos.
Erinlé necessitava de dinheiroe seu amigo Orunmilá emprestou-lhe o necessário. O tempo passou e Orunmilá teve que voltar a Ifé. Como Erinlé não tinha como saldar a dívida, foi procurar a orientação do babalaô. O oráculo mandou que fizesse oferendas, pois assim conseguiria todo dinheiro que devia e muito mais. Mas as oferendas eram demasiadamente dispendiosas e Erinlé não pode fazer o sacrifício.
Sem saída, Erinlé estava completamente envergonhado. Foi até um ermo local onde costumava caçar, depositou seus instrumentos de caçador no chão e desapareceu solo adentro. Junto ao seu ofá restou apenas uma quartinha d'água.
Seus filhos, desesperados, procuraram Orunmilá para orientá-los na busca do pai. Orunmilá disse-lhes que talvez não o vissem nunca mais, mas que fizessem oferendas e teriam ao menos um sinal do caçador.
Os filhos de Erinlé o procuraram por tudo o que foi canto.
Um dia, chegando ao local misterioso onde Erinlé desaparecera, depararam com as armas do pai junto à quartinha d'água. Ali então ofereceram muitos galos por Erinlé, chamando insistentemente pelo pai. Logo a quartinha transbordou e a água passou a jorrar em abundância, escorrendo pelo chão. O jorro d'água tomou um curso mata adentro, avolumou-se e formou um novo rio, que todos sabiam ser o próprio Erinlé.
Os parentes seguiram o rio, que os guiou até a sua casa. No caminho, Erinlé os fez saber que desejava que os galos a ele oferecidos fossem soltos vivos.
Assim foi feito e dizem que os galos de Erinlé estão vivos até hoje e que ninguém ousa matá-los.
Erinlé, o rio, continuou a correr para sempre.
Em Edê, Erinlé encontra-se com outro rio É Oxum, o rio Oxum, que parte  de Ijumu e corre ao encontro de Erinlé.
Em Edê os dois se juntam num único caudaloso e calmo rio, são as águas tranquilas que correm juntas para a lagoa.
Da união de Oxum com Erinlé nasceu Logum Edé.
tempos depois, junto ao rio Erinlé, num lugar chamado Ibualama, pela profundeza das águas, os devotos instituíram um templo para Erinlé.
por causa do nome do lugar, o Caçador, que também se chama Inlé,  passou a ser conhecido como Ibualama.


(Prandi, Reginaldo. In Mitologia dos Orixás).
 
Imagem do artista plástico baiano Leo Santana

21 comentários:

Natalia Araújo disse...

Encantadora a história.
Sempre que passo por aqui aprendo algo com vc... uma aula incrível.
Aula sobre a vida. Sobre histórias inéditas.

Beijão, linda.

manuel marques disse...

Passando e aprendendo.

Beijos.

FOTOS-SUSY disse...

OLA SILVANA, FANTASTICA HISTORIA...UMA LINDA LICAO DE VIDA...ADOREI...QUE TENHA UM FELIZ RESTO DE SEMANA!!!
BEIJOS DE AMIZADE,


SUSY

Lilá(s) disse...

É deste jeito que gosto de ouvir contar...
Bjs

Amapola disse...

Boa tarde.
É também,uma bela história.

um abraço.

Jr Vilanova disse...

Mais um capítulo da estória dos orixás! Acho que não perdi nenhuma!

Super beijo e um bom fim de tarde!
Jr.

Chica disse...

mUITO LEGAL! e O QUE ESTÁ ACONTECENDO CONTIDO E O BLOG? tENHO VISTO TUAS QUEIXAS. pIOR É QUE EU NÃO ENTENDO NADA PRA PODER TE AJUDAR. jÁ PERGUNTASTE PRA ALGUÉM QUE ENTENDE?tOMARA MELHORE ISSO!BEIJOS,CHICA

Felina Mulher disse...

Oi Silvana!
Numa correria doida por cá, mas não esqueci de passar pra te deixar meu carinho e agradecer por tão bela leitura e aprendizado.


beijos.

Daniel disse...

Silvana, acho sempre muito interessante ler seu blog, porque tenho pouco contato com a cultura indígena e aqui me sinto muito próximo a eles novamente, como nos meus tempos de escola.
Beijos

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Cada nova história que publicas
é um tributo ao conhecimento.
Fica até difícil comentar,
tamanha a beleza que os mesmos transmitem.
Então só resta falar da alegria
que os mesmos nos transmitem.

Uma semana de paz para ti.

Canduxa disse...

Mais uma linda história...são mágicas as histórias dos Orixás.

beijinhos

Fernanda disse...

Amiga Silvana,

Não li a história hoje...mas volto.
Não entendi bem quais são os seus problemas, cheguei cá sem a mínima dificuldade.

Teve problemas e já resolveu???
Espero bem que sim.

Beijinho e até amanhã.

O Santo Forte disse...

Não esqueçeu o combinado não

HSLO disse...

Saravá. Axé!

Gostei demais.


abraços

Hugo

helen ps disse...

Silvana, seu blog é tão lindo, que agora eu moro aqui, também.

Nunca desista dos seus sonhos.

Abraço.

PAZ e LUZ

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Olá Silvana!
Obrigado pela visita ao meu Rochedo. Voltarei com mais tempo

Daniel Savio disse...

Mas será que o amigo cobraria a dívida assim?

Não era melhor conversar com o suposto amigo e arranjar a melhor solução?

Fique com Deus, menina Silvana.
Um abraço.

Licínio Filho disse...

Oi Silvana,
parabéns pela postagem. Gugeri aos meus alunos que passassem por aqui para conferir as postagens sobre as divindades africanas.Eles estão estudando sobre a origem das religiões e têm uma visão deturpada dos cultos africanos e suas divindades (são crianças do 6º ano)
Abraços.

Bia Bibs disse...

Lindo, lindo, lindo, blog!!!!!!!!!

Bj!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

reinaldo michelotti disse...

que incrivel!!!
alegria nos passeios viturais noturnos e solitarios apreciar um blog como o seu. AMEI!
e incrivel!
achei fotos de umas mascaras de orisás feitas com internos da fundação casa de são paulo. esse trabalho eu acompanhei de perto.Como incentivar e orientador de pesquisa.
o trabalho foi todo planejado por Reinaldo Jose Michelotti. Então agente educacional da unidade 34 do complexo Brás da menci0onada Fundação.
muito bonito. Parabéns a voce pelo seu blog.
rjmichelotti@hotmail.com

Anônimo disse...

oi silvana
lindo texto do reginaldo prandi...mas pediria a você que desse tambem credito a linda imagem do artista plastico baiano leo santana,para nao ficar uma obra sem identificar...
abraços