sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

A LENDA DA AMOROSA.


Ipojucam e Jandira eram índios sucurus que viviam em diferentes tribos na região da bacia hidrográfica do Rio Macabu, no município de Cachoeira de Macacu, interior do Estado do Rio de Janeiro.
Ele, caçador afamado, vivia com  sua comunidade indígena na parte alta, onde os rios Curukango e Vermelho se unem. Jandira, conhecida pelas redes e cestas de palha que fazia usando a folha seca de macaúba, vivia com a sua aldeia na parte baixa, onde existe até hoje um grande bambuzal.
Desde jovens se conheciam, brincavam entre as pedras do rio banhando-se na cachoeira.
Jandira  presenteava seu  amor  com cestos de caça, e Ipojucam trazia para sua amada os  mais diferentes animais.
Os anos se passaram, Jandira e Ipojucam cresceram belos e fortes.  E como era de se esperar, apaixonaram-se. Diante desse fato, os pajés das duas tribos resolveram marcar o casamento para a primeira noite  de lua cheia. 
Na véspera do casamento pela manhã, Ipojucam ofereceu uma  bela caça para Tupã, como se pedisse as bênçãos pelas núpcias. 
Anhangá, o maligno deus da morte dos sucurus,  que invejava a destreza  e a inteligência de Ipojucam,  ao saber da caçada, surgiu para Ipojucam na forma de uma onça branca e o desafiou para uma luta.
Por causa de sua destreza,  Ipojucam derrotou a onça, ferindo-a de morte no peito. Irritado, Anhangá ressuscitou o animal,  levando Ipojucam  a perseguí-lo até a cachoeira  onde sua noiva colhia palha  para fazer sua rede nupcial.
Quando Anhangá, ainda na forma de onça branca, avistou Jandira, resolveu atacá-la para vingar-se de seu noivo. Ao perceber que corria perigo,  Jandira gritou por Ipojucam, que já vinha em perseguição da onça, investindo a  sua lança  contra o animal, transpassando-a mortalmente. 
 Anhangá, humilhado pela derrota que seu animal sofrera pela segunda vez,  transformou-se numa enorme tromba d'água, arrastando Jandira  e Ipojucam para as profundezas da cachoeira de onde numca mais foram vistos.
Em homenagem aos noivos apaixonados, a  cachoeira passou a  se chamar AMOROSA.

Desconheço a origem das fotos postadas acima.

34 comentários:

Amapola disse...

Cheguei primeiro!!
Muita bonita, a lenda. A paisagem é um paraíso.
Esse tipo de cachoeira, parece um véu de noiva.
Obrigada.
Um abraço.

Bianca Ladyhawke disse...

Ai, que bonito!! Fiquei até emocionada... adoro as coisas que eu leio no teu blog, é tudo muito educativo!! Beijos

Kimbanda disse...

Silvana, Olá
Obrigado por mais este momento maravilhoso.
As suas lendas são uma torrente de conhecimento e fazem a cultura dos povos vir à tona.
Este seu espaço não pára de me surpreender pela positiva. Não tem como explicar o gostoso que é aqui estar.
Um bom f.d.s. e receba o meu kandando sincero

manuel marques disse...

Sempre lindas, as suas histórias de amor.

beijos.

Sônia Brandão disse...

Mais uma bela lenda de amor.

bjs

Rui da Bica disse...

Olá Silvana. As suas narrativas, além de belas, transmitem-nos um manancial de conhecimentos, enriquecedores.
O blog continua com um grafismo extraordinariamente rico de imagens e de mensagens que cativam
Sabe que eu julgava que Índios, no Brasil, era só na Amazónia? Aprendi que não.
Bjs e bom fim de semana.

.

Regina Rozenbaum disse...

Sil
Você percebe que tooooodo mundo adora as lendas de amor? Será que existe outra forma, além dessa, para vivermos nossa vida? Eu prefiro acreditar, sempre, que minha vida é regida por e através do AMOR!
Um ótimo final de semana para vc!
Beijuuss n.c.
Regina
www.toforatodentro.blogspot.com

catwoman disse...

Uma lenda linda e uma paisagem de sonho, pertencem, de facto, uma à outra.

Bjs.

Clecilene Carvalho disse...

Como é bom vir aprender aqui.

Mylla Galvão disse...

Silvana,
Vim te falar q tem um selinho prá vc no meu novo Blog:

http://damadasaguas2010@blogspot.com

Que história linda... como sempre vc arrasou!!!

bjão

Prof. Sergio Ricardo disse...

Olá Silvana, vim retribuir sua visita e conhecer seu espaço. Adorei. Como historiador gosto de ler culturas diferentes, essa da amorosa é muito interessante, existe inúmeras lendas que precisam ser valorizadas, registradas, jamais esquecidas. um grande abraço e ótimo final de semana.

DE-PROPOSITO disse...

Ao ler este pequenino texto, lembrei-me de 'O GUARANI' de José de Alencar.
---------
Que a felicidade ande por aí.
Manuel

Juliana Dias disse...

Só posso dizer uma coisa do teu blog: Ele é maravilhoso! Me perdi em tanta informação, beleza e BRASIL.

Não é à toa que tem quase mil seguidores.

Um grande beijo, estou seguindo com prazer!

M. Nilza disse...

Ahh tão bom vir aqui e ler essas lendas tão lindas!! Bom saber que foi no Rio, minha irmã tem um sítio lá pelas bandas de Cochoeira!!

Sempre me faça lembrar de passar por aqui para ler suas histórias ok?

Beijos

Ofarol disse...

Olá Silvana
Gostei imenso... Que bonita história de amor...acompanhado de fotos do "Paraiso"...não é?...

Um beijo

JARDINS DO CORAÇÃO disse...

LINDA A LENDA!!

EUNÃO CONHECIA ESTA LENDA, MAS ALGO SE ASSEMELHA AOS FATOS DO RESPEITO PELA NATUREZA.

SEMPRE QUE ENCONTRO UMA CACHOEIRA, ME PONHO EM ORAÇÃO, OBSERVANDO-A DE FORMA COMPLETA.

E HÁ QUE SEMPRE SER IMAGINADO A PRESENÇA E AS FORMAS DE VIDA DOS ÍNDIOS NESTE LOCAIS SAGRADOS PARA A VIDA NATURAL.

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá Silvana! Passando para tomar mais uma dose de cultura. Aceite meus agradecimentos e continue com esse belo trabalho.

Beijos,

Furtado.

Carmem L Vilanova disse...

Querida Silvana,

Minha viagem foi, na realidade uma mudança... uma vez mais estamos de volta a nossa casa no Peru e vamos REcomeçcar uma vez mais e sempre... sempre que necessitemos dar um passo para trás para dar dois para frente... :o)

Estou passando para deixar meu carinho... Hoje realmente não posso ler tudo o que tenho pendente, mas pouco a pouco vou atualizando a leitura...

Deixo também meus eternos beijos, flores e muitos sorrisos e a certeza de que... VOLTEI !!! :o)

Gerana Damulakis disse...

Que beleza!Mais uma lenda extremamente bela.

Sonia Schmorantz disse...

Linda esta lenda da Amorosa!
beijo, ótimo fim de semana

Pelos caminhos da vida. disse...

"Há corações que param no passado;
e para que isto não
aconteça com você deixo-lhe este
pequeno lembrete, para que o
seu coração, ao mover-se no futuro,
encontre sempre algo no
presente."

Bom fim de semana amiga.

beijooo.

Amapola disse...

Bom dia...

o mar e a brisa do prazer de aprender disse...

NOssa!!!!!!!!!!! li tudinho como estivesse saboreando um bolo delicioso de morango.Vou aproveitar esse conteúdo em sala.
Amo cachoeiras - na cidade onde nasci em Corupá temos 15 cachoeiras ,uma trilha maravilhosa. Venha nos visitar para irmos lá.
Abraços ecológicos e criativos

ღ SOL ღ disse...

Silvana, que linda está bela história de amor. A paisagem da cahoeira é maravilhosa. As novas fotos do blog também transmitem toda beleza da cultura. Parabéns, Beijos. Sol

Beta de Santana disse...

Bom dia Silvana!
Amo cachoeiras!! As lendas indigenas são lindas! Minha cidade Peruíbe também tem uma lenda linda!! Que seu dia seja lindo.
beijokas, Beta de Santana

Lidia Ferreira disse...

Linda essa lenda amiga , adoro cachoeira
Querida tem um selo para vc no meu blog
bjs

Renato Orlandi disse...

Olá, obrigado pela visita! Gostei bastante daqui também, estou te seguindo e vou te linkar! A-mei as fotos e citações na coluna ao lado! :D Bjuu!

Virgínia Allan disse...

Muito bom o seu site sobre a preservação de nossas lendas. Tem umas que nem conheço... Obrigada pela visita e acho que precisas de um acelerador de vídeo pro teu computador. Consulte um tácnico. Beijo

Claudia Bins (Cacau) disse...

Silvana,

Que blog incrível você tem! Parabéns por tudo, pelos belíssimos posts com a essência da nossa cultura, a riqueza dos detalhes, das fotografias... Olha, gostei de verdade. Não só estou seguindo como acrescentei na minha lista de visitas que adoro fazer, lá no meu blog.

Parabéns mais uma vez!

Cacau
www.mosaicosdosul.blogspot.com

Regina Fernandes disse...

Que lenda linda!
Adoro passar por aqui!

Bj Silvana
Ótimo final de semana.

Zezinha disse...

Olá, minha amiga, estou aqui pra te oferecer meu primeiro selinho 2010, está do lado direito no meu blog COMPARTILHANDO IDEIAS, passe, lá e pegue, é seu, com muito carinho!!
Bjos!!!!!

Vitor Chuva disse...

Olá Silvana!
Mais uma história bonita , muito bem contada, que nos permite olhar o mundo de uma forma diferente, longe do formato formal a que fomos habituados ... e muito mais apelativo!
Beijinhos.
Vitor

Magia da Inês disse...

Olá, amiga!
Voltei para rever seu cantinho e encontro essa encantadora lenda... ganhei o meu dia!...
Bom fim de semana!
Beijinhos.
Itabira - Brasil

Daniel Savio disse...

Por isso que fico triste com a lendas indigenas, pois sempre acabam com algum fato fatidico...

Será que era o reflexo do animos deles?

Fique com Deus, menina Silvana.
Um abraço.