segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

OS SANTOS NOSSOS DE CADA DIA.

Existem milhares de casos de santos populares espalhados pelo mundo.
Eu trouxe apenas dois desses casos para ilustrar a minha história de hoje, ambos acontecidos na mesma cidade.
Dezenas de placas em mármore estão espalhadas ao redor da lápide 25-762 no cemitério Santa Izabel, na cidade de Belém do Pará. Em todas, as mesmas palavras: "em agradecimento a graça alcançada".
O túmulo é de Severa Romana Pereira, uma jovem de 19 anos assassinada por ter resistido a uma tentativa de estupro.
Os populares contam que ela estava grávida quando morreu, e seu sofrimento virou sinônimo de santidade. Conhecida como a "Mártir da Fidelidade", suas histórias sobre milagres chegaram a ser recolhidas nos anos 70 para uma possível beatificação.
Várias personagens como Romana alcançaram a santidade pelo carisma popular, embora não sejam reconhecidos pela igreja.




Outro episódio bastante conhecido é o de Josephina. Quem nunca ouviu falar na "moça do táxi"?
Sua história já faz parte do imaginário popular  dos paraenses, que juram tê-la visto de perto. 
Segundo contam, Josephina era uma adolescente que adorava andar de carro e, todos os anos, seu pai dava-lhe como presente de aniversário uma volta de taxi  pela cidade.
Falecida ainda jovem e inconformada com a sua morte tão repentina, a menina passou a ser vista vagando  nas ruas de Belém repetindo o mesmo ato: ela chama um taxi e  depois de rodar pela cidade, pede para o motorista deixá-la na porta de casa dizendo que vai  pegar o dinheiro da corrida. 
Como a moça não retorna, o taxista resolve bater em sua porta e toma um susto ao ser informado  por familiares que a menina falecera há décadas.

Todos os anos os cemitérios recebem pedidos, orações e promessas, aprovação nos estudos, empregos, curas, sorte no amor: tudo é motivo para pedir e rezar por estes santos populares.
O milagre é a busca de uma intervenção sobrenatural que ameniza alguma dor ou necessidade. É daí que surge a crença, analisa o antropólogo João Simões.

Então, eu  pergunto:

- Mas afinal, quem faz milagre ?

Penso que só a fé pode esclarecer esse mistério.

34 comentários:

Amapola disse...

Bom dia!
Que bom encontrar esse tema...
Nos faz refletir bastante sobre a nossa própria trajetória religiosa, as nossas buscas, o que já encontramos ou não...
Enfim, aquela origem da fé... e o que restou dela em nós.
Um grande abraço.

Elizabeth disse...

Olá Silvana,
Que voce tenha uma semana abençoada.
Beijo.

São disse...

Anjos e santos são antigas divindades cristianizadas, geralmente.

Boa semana.

Amapola disse...

Silvana, hoje você me fez sentir novamente como criança. Seu blog é tão bom, que até os comentários eu leio todos, e adoro fazer parte deles.
Mas hoje, quando fui postar, falei pra mim mesma: OBA! Cheguei primeiro...
Um grande abraço.

Miguel disse...

Nunca fui de crer em Santos, nem mesmo em religião, embora me sinta atraído por estas histórias como as que acabou de contar. Todavia acho que a fé é mesmo o maior dos milagres. Mais do que acreditar em alguém, acredito em mim, em dias melhores, na esperança.

Mona Lisa disse...

Olá

Tenho fé!

Para mim é a fé quem faz os milagres!

Gosto imenso do teu blog.

Bjs.

"re" disse...

Sivana

Acredito que Deus não opera no meio da incredulidade...
Sobre este assunto, observei inúmeros milagres dentro das igrejas evangélicas mais simples que pesquisei e, quando "dizem que acontece" algum milagre dentro das igrejas católicas isso vira idolatria ao santo e não mérito de Deus!!! Quanta apostasia!!!!
Mas só Deus faz milagres que não atraem consequencias desastrosas...

Un beso

Jakeline Magna disse...

Silvana, parabéns pela postagem...
Boaaa Semaninhaaaaa

Lili disse...

Olá silvana,
também concordo que é a fé que promove os chamados milagres. Mas, tenho carinho por alguns santos e santas. Como o caso da Santa Tereza, pois esse é o nome de minha mãe. Que para mim é uma outra santa, por ter tido oito filhos e poder ser uma mãe única para cada um deles.
Um beijo para vc.

Sandra Daniela disse...

Olá! admiro as histórias que contas! :-)

A história de Josephina, já a tinha recebido uma vez por mail... As vezes não acreditamos nestas coisas, mas acho que elas existem...

Beijinho

BAÚ DA JOANINHA disse...

Olá Silvana,
Obrigada pela sua visita e por me dar a conhecer o seu blog.
Adorei as histórias que aqui conta.
Voltarei sempre que possível.
Beijinhos e boa semana.

Joana

Mara Bombo disse...

Parabéns pelo maravilhoso Blog, sucesso!!!!
bjs
Mara Bombo

Luisa Moreira disse...

Silvana,

Lendas, são sempre lindas de ler, e cada um faz delas o que quiser. Pode sonhar, e até acreditar na veracidade delas.

Abraço

Luisa

Regina Rozenbaum disse...

Ei Sil
Você sabia que há vários estudos científicos, com pacientes internados, demonstrando que aqueles que tem fé e/ou seguem uma religião, se recuperam mais rápido e alcançam a cura, do que os que não possuem? Eu não abro mão da minha!
Beijuuss n.c.

www.toforatodentro.blogspot.com

manuel marques disse...

O imaginário voa,voa,voa.

Beijo.

Catarina disse...

Gostei do seu blog!
Obrigada pela visita em ecosdoplaneta.blogspot.com

*Teresa Cristina* disse...

Olá seja bem vinda no meu caminhar!!
Feliz 2010 pra ti.
A fé é que opera milagres!
Uma boa semana pra ti.bjs♥

catwoman disse...

Aquilo que nos ajuda a ir vivendo um dia de cada vez, é a nossa fé, em santos, em nós próprios,no destino não sei, mas ajuda-nos a ultrapassar momentos menos bons e a construirmos a nossa vida. Essas duas lendas são lindas,cá por Portugal também temos algumas, com a da Santa de Arcozelo, ou a mais famosa de todas elas, a Rainha Santa Isabel.
Beijinho.

Eliezer Albuquerque disse...

Oi Silvana. O horror do HAITI nos mostra que milagres realmente existem. Não pela ação de uma pessoa, mas pela fé de quem foi salvo, ou curado.
Jesus quando praticava seus milagres, sempre dizia: "...teus pecados estão perdoados, ...tua fé te salvou."
Um abração.

Sandra disse...

Olá Silvana!
Passei para agradecer sua carinhosa visita e comentário...Sempre que desejar,retorne ao espaço,pois será bem vinda!
Gostei de sua postagem...Sou uma boa ouvinte de histórias/'causos'/conversas que se aprendam algo,para nosso crescimento...Voltarei em breve,para acompanhar mais textos!
Ótima semana!Fica com Deus e té+!Bj!

[ rod ] ® disse...

A fé é que determina tudo... sem ela o que seria dos meus dias!!!

Rosemildo Sales Furtado disse...

Também acredito que quem cura é a fé, agora, por que crer em santos se tenho meu DEUS? Bela postagem.

Beijos,

Furtado.

Denise Guerra disse...

Oi Silvana que postagem bonita! Eu nunca tinha parado para pensar sobre os milagres. Acredito que a fé é que move as montanhas e tudo o mais nesta terra. Se cremos poderemos realizar. Os santos talvez sejam um ponto culminante do equilíbrio que temos que ter ao focar os desejos com a nossa fé. agradeço suas visitas ao meus blogs! Até breve! Bjs!

JPD disse...

Quem tem fé acreditará mais facilmente na ocorrência de fenómenos extraordinários que ajudam a aliviar os sacrifícios do quotidiano.

Se forem milagres, ajudarão muito;
Se não chefarem a essa qualificação superlativa, não atrapalharão.

Saudações

EVELIZE SALGADO disse...

Oi, Silvana! Hoje consegui acessar os comentários do teu blog, às vezes não abre. a janela.

O importante é acreditar. A fé nos leva onde quisermos ir. Pena que nem todos saibam.

Bjins

EVELIZE SALGADO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tozé Franco disse...

Olá.
Hoje ao visitar o blogue (que está meio parado) Coimbra dos Amores encontri o seu comentário e resolvi trazer até aqui uma estória de um santo popular do norte de Portugal, que publiquei no meu blogue http://historiasesabores.blogspot.com/, onde aliás estão outras.
Então aqui fica:
A lenda de Santo Asinha
Asinha pode significar depressa. Sendo assim Santo Asinha significa Santo Depressa.
A lenda reza o seguinte:
Pela serra de Arga andava um assaltante que roubava e, por vezes, matava, os viajantes que atravessavam a serra a caminho de Ponte de Lima, Paredes de Coura e Arcos de Valdevez. Certo dia, assaltou um pobre frade mendicante sem nada de seu que por ali passava. Preparava-se para o matar, pois não acreditava que um representante do clero não levasse algo que pudesse ser roubado, quando o frade começou a rezar, afirmando querer morrer pedindo pela salvação do seu assassino.
Ao ouvir isto, o ladrão arrependeu-se da vida que levava e pediu ao frade para o absolver de todos os pecados, e eram muitos, que tinha cometido.
Ora como de acordo com leis canónicas não há absolvição sem penitência, o frade deu-lhe a seguinte: “Até agora só tens feito o mal, e só tu podes saber todo o mal que fizeste. Pois fica por aqui a ajudar quem precisa, até que o teu coração te mostre que o prato do bem pesa tanto como o prato do mal. Nessa altura porás assim fim à penitência”.
E assim foi, o frade lá seguiu viagem e o bandido resolveu ajudar todos os viajantes que por ali passassem.
Certo dia, o carro de bois de um lavrador atolou-se na lama e o salteador resolveu ajudá-lo. Quando se encontrava a empurrar o carro, o lavrador viu a oportunidade de matar tão terrível malfeitor. Foi o que fez, tendo depois seguido caminho. Alguns meses depois, ouviu o anúncio, trazido pelos arautos do rei prometendo recompensa para quem matasse tão terrível criminoso. Rapidamente foi ao local onde o corpo deveria estar, na esperança de encontrar, pelo menos, o esqueleto, a fim de reclamar a recompensa. Mas, para seu espanto, não só o corpo estava incorrupto, como à sua volta tinham crescido lírios brancos e açucenas e os pássaros chilreavam, compondo uma verdadeira sinfonia.
Logo aí o agricultor se apercebeu que não tinha morto um ladrão, mas sim um santo.
Estava criada a fama de santidade e tinha nascido mais um santo de devoção popular: o Santo Asinha.

fernanda barreto disse...

mas que coisas mais lindas se encontra por aqui, silvana!
beijos e flores,
nanda

! Marcelo Cândido ! disse...

A fé é importante
Mas não acredito em santos
!!!
Prefiro acreditar nas pessoas

Sonia Schmorantz disse...

As vezes é preciso acreditar em milagres, buscar respostas no sobrenatural, para quem a vida é muito dura só assim mantém esperança...
beijos

Janinha disse...

Olá...

Retribuindo a visita...Serei sua seguidora...Acredito q é disso q precisamos d pessoas q queiram mudar e batalhem por essa mudança...

Passa lá no meu tbm...

Lá eu posto tudo q amo...Ñ há um assunto especifiko...
As x posto algo d psicologia(pq é o curso q escolhi)-mas tô d férias...
será sempre bem vinda bjuu

Maria Letra disse...

Será, talvez, aconselhável que, por respeito à força incomensurável da nossa mente, não nos preocupemos muito com um tema que nunca terá uma resposta aceite por todos. Da minha parte prefiro tomar a liberdade de colocar-me fora de qualquer julgamento, até porque respeito muito o desconhecido. Como sabem, é comum, volta meia volta, dizer-se: "até há pouco ...... pensava-se que ...., mas os cientistas chegaram à conclusão que ...." Prefiro manter-me silenciosa, mesmo respeitando cada crença.
Um abraço.

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Acho que você já disse:a fé. Muito legal você nos trazer essas curiosidades religiosas. `Parabéns.Beijos.Estou seguindo você

Artes da Marga disse...

Oi Silvana!
A fé é inexplicável. Tenho a minha e acredito que através dela fui agraciada por Deus em momentos muito, mas muito difíceis em minha vida. Meu marido se curou de um câncer, sofri 2 acidentes de carro e já fui atacada por um pitbul. Em todos esses momentos, tive tempo de lembrar de Deus e acredito que fui realmente atendida. Sou católica.
Abraços
Margarida