domingo, 10 de janeiro de 2010

A GÊNESIS DO VINHO E SUA PRIMEIRA RESSACA.

A minha vida sempre foi ouvir e  contar histórias . Ter esse espaço e poder compartilhar com vocês é, no mínimo, salutar e muito  prazeroso: essa troca de energia renova as minhas forças e enche o meu coração de alegria.
Como curiosidade semana  passada eu postei sobre como a  primeira  orquídea apareceu no mundo e, também, sobre o curioso  surgimento da infusão.
E como o vinho sempre ocupou um lugar privilegiado na civilização ocidental,  pensei:
- Que tal  brindarmos o começo da semana com a "gênesis do vinho"?
(mesmo sabendo de que  o assunto se encontra fora do propósito temático  deste blog).

Bem, foi desse jeito  que eu ouvi dizer...

Um dia, o lendário rei Jamshid estava vendo seus arqueiros praticarem, quando notou no céu um grande pássaro que lutava para não cair, tentando livrar-se de uma cobra que se enroscava em seu pescoço, ameaçando-o com as presas.
Não podendo suportar a visão do pássaro, supremo símbolo do bem, ameaçado de ser devorado pelo mais abjeto símbolo do mal, Jamshid ordenou a seu melhor arqueiro que matasse a cobra. Momentos depois, a serpente caia no chão com a cabeça transpassada por uma flecha.
O pássaro voou então em direção ao sol em comemoração da vitória do bem sobre o mal e depois mergulhou, pousando aos pés de Jamshid.Então abriu o bico e deixou cair algumas brilhantes sementes verdes.Jamshid jamais havia visto sementes como aquelas e, quando ia questionar o pássaro a respeito, ele já havia voado para longe.
Ninguém, dentre os melhores jardineiros e as pessoas mais sábias do reino, conseguiu identificar as estranhas sementes. Então o rei ordenou que fossem plantadas nos solos mais férteis dos jardins reais.
Elas germinaram e no verão lançaram largas folhas. Ao chegar o inverno seus ramos secaram e se encolheram, como se quisessem se proteger do frio, mas ao chegar a primavera, reviveram e produziram seus primeiros frutos maduros. O jardineiro levou-os até o rei, que os examinou maravilhado. Os frutos eram tão estranhos quanto as sementes que os produziram.
Em cada haste nascia não um fruto, mas de vinte a quarenta bagas redondas, de um azul escuro e aveludado. A casca se rompia com facilidade, deixando escorrer o sumo. A fim de que nem uma gota fosse perdida, Jamshid determinou aos servos que reunissem o sumo de todos os frutos e o guardassem em grandes recipientes.
Uma tarde, o rei voltou ao palácio depois de um longo dia de caçada sob um sol ardente. Decidiu então experimentar uma taça do misterioso suco, imaginando que seria uma refrescante bebida fermentada. Assim que tomou o primeiro gole, cuspiu-o longe.
_ "Isto deve ser um terrível veneno" - disse. "Eu preciso ter certeza de que não cairá em mãos erradas".
Ocupado com os assuntos do reino não pensou mais no caso e meses se passaram.
Acontece que Jamshid possuía uma linda jovem escrava, que se tornara sua favorita. Um dia, enquanto ele viajava, ela se sentiu violentamente mal, sofrendo horríveis dores de cabeça que médico algum da corte conseguiu curar. A dor era tão intensa que ela decidiu se matar. Lembrando-se do estranho suco e do aviso do rei de que era veneno, tomou um copo e, para sua surpresa, descobriu que não era amargo como o rei dissera.Para ter a certeza de que morreria, tomou um segundo copo e, em seguida, um terceiro. Finalmente, caiu num sono profundo.
Quando acordou, a terrível dor de cabeça passara. Embora sentisse a boca seca, acreditou que estava curada.Quando o rei voltou ao palácio, ela confessou o que fizera e descreveu a cura miraculosa que a bebida trouxera. Como Jamshid amava a jovem escrava, não a puniu.
Ao invés disso, pediu o suco para experimentar. Provou-o, cautelosamente no início e, em seguida, com um prazer cada vez maior. Sem conseguir disfarçar seu deleite, decretou que a bebida fosse usada como remédio por todo o povo.
O efeito foi tão benéfico, principalmente entre os mais velhos, que a bebida passou a se chamar daru-shah, o remédio do rei.
Esta, segundo a lenda, é a origem da uva e da descoberta do vinho. Seja como for, as parreiras são originárias do Oriente Médio e foi ali que, num dia há muito esquecido, o suco de uvas se transformou em vinho, há cerca de 7000 anos.
........................

Sou neta de portugueses e casada com  filho de portugueses, para mim um  vinho será uma excelente idéia.
Os vinhos brasileiros são D E L I C I O S O S, mas o meu preferido ainda é o do Porto: não existe nada mais saboroso de que uma taça  após as  principais refeições.
É a melhor harmonização para um bate-papo.

36 comentários:

Daniel Savio disse...

Interessante, mas que abusa do vinho, acaba ficando com dor de cabeça...

Fique com Deus, menina Silvana.
Um abraço.

Bloguinho da Zizi disse...

Silvana
Me deliciei com o texto, como quando tomo um bom vinho.
Como vc, sou descendente de portugueses, no caso, meus pais, e nestas veias corre esse gosto por um vinhito.
E o meu preferido é o do Porto, com certeza.
Gratidão

Amapola disse...

Lenda bonita e interessante.
Vinho é realmente muito bom, e certamente o vinho do Porto é o rei deles.
Saudações Florestais.

JPD disse...

Olá!

Gostei muito deste «Jeito»

Ficarei atento.

Obrigado pela visita.

Saudações

manuel marques disse...

O vinho e a música sempre foram para mim um magnífico saca-rolhas ...

Beijo.

Vitor Chuva disse...

Olá Silvana!

Interessante e curiosa explicação para o nascimento do vinho - e também para a primeira ressaca...
Pessoalmente, eu conheci o vinho na adega dos meus pais. Não que o bebesse nessa altura, mas nós produzíamos o nosso próprio vinho, cujas uvas eu mais tarde ajudei a apanhar, e cujo suco ajudei a espremer, pisando-as num tanque.E o processo só atingia o seu termo quando o que sobrava das uvas pisadas era levado para o alambique do meu avô, onde então fazíamos a aguardente.
Desses tempos retenho muitas e agradáveis memórias: O vinho está, definitivamente, muito ligado à nossa cultura e hábitos, ainda que muita coisa tenha mudado desde então.E, sem dúvida, o vinho sempre ocupou um lugar muito especial na civilização ocidental, ao ponto de os Gregos e Romanos lhe terem atribuido um deus patrono; certamente que dele também gostariam muito ...
Um abraço.
Vitor

Mona Lisa disse...

Olá

Obrigada pela partilha de tão interessante texto que desconhecia.

Bjs.

Pelos caminhos da vida. disse...

Gosto de voltar aqui, seus textos são interessantes, obrigada por mais uma partilha.

Um brinde a vc.

Bom domingo amiga.

beijooo.

tukakubana disse...

Silvana, o que posso fazer para lhe enviar uma garrafa de vinho do Porto? Quando tiver alguém que venha a Portugal e fique uns dias, contacte-me. Talvez dê para lhe levarem um pouco deste néctar que aquece a alma (e os ossos).
Abração
tukakubana

carol sakurá disse...

Oi!
Ah,o vinho,meu deleite!

Bjs!

Estrela disse...

Boa Tarde, Silvana!
Suas histórias são fascinantes e essa lenda da uva e do vinho me fez viajar
por um mágico mundo encantado!
Tenha um Feliz Ano Novo e continue encantando-nos mais e mais "desse jeito"!

Denise Guerra disse...

Olá Silvana, deu água na boca este teu vinho in natura! Muito bom! Bjs!

T.Mike (Miguel Gomes Coelho) disse...

Silvana,
Agradeço-lhe a visita ao português "Vermelho Cor de Alface" e a sua indicação de seguidora.
Tem um belíssimo blog a que virei ameudadamente pois tem muito para ler e observar.
Saudações.

Tite disse...

Amiga Silvana,

Foi a 1ª vez que ouvi tal lenda.
Adorei!!!
Sou apreciadora de vinho mas do bom mesmo.
Do vinho do Porto, só em ocasiões especiais e para colocar nos muitos doces que faço para lhe conceder um sabor mais exótico.

Um grato abraço por aprender tanto consigo.

M. Lourdes disse...

Silvana
Que lenda engraçada. Não aconhecia como muitas outras que aqui conta.
Beijinhos

Viviani de Alcântara disse...

Olá Silvana?! Vim conhecer seu Blog, que é fantástico...parabéns! Com certeza, voltarei muitas vezes e prometo que aos poucos leio cada postagem! Obrigada por me visitar, foi um prazer recebê-la no meu humilde ateliê virtual! Espero vê-la mais vezes, viu?! Quero oferecer meu award, é de coração!!! Já vi que tem muito assunto bom, aqui, muitas curiosidades...adooorei!!! Sobre o vinho, achei bem interessante essa história, apesar de não tomar mais nem um tipo debebida alcólica, sei que o vinho na dose certa, após as refeições, faz muito bem pro coração! Mesmo assim, eu prefiro ficar só no suco da uva...rsrsrs...bjs e tudo de bom pra vc!!!

Fatima disse...

Muito bom Silvana!
Bjs.

Jorge Sader Filho disse...

Silvana, além de bem escrito, você tocou num ponto sensível: o vinho.
Alguém pode recusar uma taça?

Carinhos.

ஜ♥_Sabrith_♥ஜ disse...

Muito legal!
Mas eu não posso com vinho, me dós a cabeça.
Eu ganhava todo ano Vinho do Porto de uma amiga e era a alegria da minha familia, pois eu não podia beber... rsrsrs
Boa Semana
Bjokas

Rosemildo Sales Furtado disse...

Lembro-me que meu primeiro porre tomei com doze anos de idade. Sabes o Quê? Cachaça misturada com vinho!
Imaginas a ressaca!

Beijos e ótima segunda-feira.

Furtado.

Elaine Barnes disse...

Muito informativo. Bom pra saúde, para partilhar,comemorar e viva Bacco! Obrigada por nos ensinar tantas coisas boas. Bjão

JARDINS DO CORAÇÃO disse...

Excelente e imensurável artigo!!

Silvana, descobri este Seu Blog hoje. Na medida do possível, todos os dias pretendo aportar por aqui, fazer o meu porto seguro para leituras dos seus artigos "tão restauradores".

Parabéns pela qualidade e pela cultura divulgada em seu espaço. Estarei divulgando o seu trabalho aos amigos, e em especial aos educadores.

"Paz e Bem!!" Forte e fraterno abraço!!

Val Minillo

Nova Civilização disse...

Silvana,

Seu blog é pura cultura!!!
Seu trabalho é muito importante, reviver a nossa história para que ela possa ser contada a todos, a fim de que não nos percamos ,e sim nos reencontremos sempre! Voltarei mais vezes.

obrigada pela partilha,

Um Feliz Ano Novo de muita Paz, Amor e Prosperidade!

Parabéns pelo texto!

abraços,

Gisele

Gusta Fernandes disse...

Nossa, fazia muito tempo que não lia um texto com tanto instusiasmo com li esse.

MARAVILHOSO!!!

Adorei ler a historia sobre o "aparecimento" da uva. Sou super suspeito pra falar de vinho, amo muito.

Vinho do porto não tem nem comparação com o vinho brasileiro, mas é valido ressaltar que aqui tem vinhos muito bons!!

Beijos!

Chica disse...

Muito bom teu texto e sou casada com quem é de família de produtores de vinho na Itália. Lindo!beijos, linda semana,chica e tim-tim!chica

Fa menor disse...

Obrigada pela visita.
Muito interessantes os seus posts.

Amapola disse...

Passei aqui para lhe desejar um bom dia!
Saudações Florestais.

Pelos caminhos da vida. disse...

Desejo nesta semana para você:

Paciência para as dificuldades
Tolerância para as diferencias
Benevolência para os equívocos
Misericórdias para os erros
Perdão para as ofensas
Equilibrios para os desejos
Sensatez para as escolhas
Sensibilidades para os olhos
Delicadezas para as palavras
Coragem para as provas
Fé para as conquistas
E amor para todas as ocasiões

beijooo.

Valéria disse...

Adoro as lendas desse blog assim como adoro vinhos brasileiros e o do porto é bom de mais.

Beijo

welze disse...

tem selinho pra vc no gostosuras.
saudações florestais, querida, muitas vitórias com alegria e saúde

Virgínia Allan disse...

Obrigada pela atenção ao meu blog, bonito, culto e interessantissimo o seu espaço e é grande prazer fazer parte desta ciranda de amigos. Beijos e feliz 2010.

Alma Inquieta disse...

Olá Silvana!

Desculpa as minhas ausencias!

Espero que estejas bem!

Infelizmente, estou de cama com uma gripe terrível que me impede de me aproximar do meu sogro, o lado positivo, é que me sobra tempo para visitar os amigos...!

Assim, no meu portátil, cá estou eu a retribuir os gestos de carinho.

E ver as belas imagens que por si só são poesia..., que lindas uvas!

E tu tens muito BOM GOSTO, PORQUE O VINHO DO PORTO, É DO MELHOR!
JUNTO-ME A TI!

Aproveita e enquanto te delicias com um cálice de vinho do Porto, visita este blog...,

De certeza não te vais arrepender, recomendo-o vivamente! Não é bom..., é EXCELENTE! É TÃO BOM COMO O VINHO DO PORTO..., COM O PASSAR DO TEMPO MELHORA!

É de um Amigo meu argentino, mas também é escrito em potuguês.

http://serpai-acerca-de.blogspot.com/

Um beijo e votos de uma excelente semana!

Isabella disse...

Olá! Passando para agradecer sua visita e comentário amoroso em meu blog. Adorei! Esteja sempre por lá. Gostei do seu cantinho!Já estou te seguindo...
Bjos ;**
Isabella,
www.talkisabella.blogspot.com

mãe rã disse...

hehehe, históra interessante. quando temos dor de cabeça, acaba passando com o vinho, mas se nao a temos, acabamos ficando com uma dor de cabeça enorme.
suas histórias são sempre bonitas, gosto imenso de lê-las e acabo contando uma ou outra para os meus filhotes.

Ferreira-Pinto disse...

Um bom vinho bebido com moderação é sempre um excelente acompanhante para uma boa conversa, degustação ou refeição.
Quanto ao vinho do Porto, é excelente companheiro. Por cá, há ingleses radicados no Douro que fazem dele o vinho principal da refeição.
Se puder, experimente um Porto Tonic: vinho do Porto branco de preferência um Tawny bem fresco, misture com água tónica, uma pedra de gêlo e uma folha de menta. É um refresco divinal!

Soninha disse...

Olá, Silvana!

Adoro lendas e esta é muito interessante!
O mais legal, no entanto, é saber que a natureza, por si só, é capaz de nos dar tão deliciosos frutos e da manipulação deles, tão bons produtos. A uva...hummmm...delícia...O vinho....hummmm....um néctar.
Gosto muito de vinhos.
Dentre os portugueses, conforme você cita, o do Porto é imabatível, com certeza. Porém, gosto muito do vinho verde, hiper gelado, para os dias de verão e para os almoços alegres.
Sensacional!
Valeu, Silvana!
Excelente semana.
Muita paz! Beijosssssssss