domingo, 4 de outubro de 2009

A ÁGUIA GIGANTE.


Em tempos muito antigos, uma águia gigante ameaçava a segurança dos índios. A terrível ave de rapina devorou a tia dos dois poderosos ancestrais dos Caiapós. 
Um pai criou dois de seus filhos debaixo da água, para que se tornassem homens fortes, capazes de matarem a tão temida ave vingando assim, a morte da parenta. Seus nomes eram: Kukrüt-kakó (osso de tapir) e ngo-k0n-ngri (cabaça pequena). 
Naquele tempo, os indígenas eram todos muito pequenos e fracos, somente estes dois meninos do rio cresceram gigantes. Entretanto, os índios da aldeia, nada sabiam sobre eles, já que somente os pais visitavam os filhos. 
Quando se tornaram homens, o pai deixou que saíssem das águas, e vivessem na aldeia em companhia dos pais. Mas todos se amedrontaram com aqueles gigantes, sobre quem o pai e a mãe jamais lhes haviam falado. 
O pai construiu para os filhos uma casa gigante e lhes falou da ave rapina que tinha devorado sua tia paterna. Então, os filhos partiram em busca da ave a fim de vingar a morte da tia. Lá muito longe, na borda do grande cerrado, havia uma enorme árvore, cujos ramos abrigavam o ninho da águia gigantesca. Suas garras eram tão grossas quanto um tronco de árvore, a cavidade de sua boca era parecida com a fauce do tapir, suas plumas lembravam folhas de bananeira e seus olhos eram de um tamanho aterrorizador. 
A ave já havia devorado muitos indígenas: facilmente os tomava em suas garras enormes. 
Os homens gigantes, armados de machado e lança, cuja ponta era feita de um grande osso de jaguar, foram até a árvore em que estava o ninho da águia. Ao se aproximarem a águia os avistou e imediatamente precipitou-se sobre um deles que se defendeu com o machado. 
O outro, veio correndo e matou-a com a ponta óssea da lança. Na luta entre a águia e os dois indígenas, a ave perdeu sua penugem. Os dois ancestrais Caiapós sopraram no monte de penas, espalhando-as em todas as direções do vento. 
Com isso, a penugem transformou-se em pássaros pequenos e, desde então, existem pássaros de toda a espécie.

6 comentários:

Rosan disse...

é de uma imaginação fantástica, esse surguimento dos passaros.
e a águia gigante está mais para um dinossaurao voador....
Beijo

Daniel Savio disse...

História interessanted, mas se vieassemos de uma forma mais tecnica, a grande aguia poderia ser um ancestral dos tempos dos dinossauros, que após a extinsão, acabou gerando o ancestral das aves, que acabou gerando as aves de todo os estilo que temos hoje...

Estou sendo meio simplicista, mas espero ter passado a idéia...

Fique com Deus, menina Silvana.
Um abraço.

Anabela disse...

gostei mutio deste conto,da explicaçao que os indigenas deram ao nascimento de varias especies de aves,é ternurento...,obrigado mais uma vez,bjs

angela disse...

linda lenda.
boa semana
beijos

Livia Leão disse...

Nossa Silvana!!! ADOREI... Maravilhoso o seu trabalho, a sua proposta. O mundo, o Planeta, precisa de pessoas como você. O seu blog é lindo, cheio de informações e de mensagens encantadoras, inclusive as subliminares. Simplesmente lindo!!! Perfeito e preciso. Parabens, voltarei por aqui outras vêzes também, claro!!! Saudações Florestais... Livia Leão

Regina Fernandes disse...

Muito interessante esta lenda para explicar o nascimento das aves pequenas! Amei!

Bjs
Linda terça