quinta-feira, 1 de outubro de 2009

A OBTENÇÃO DO FOGO.


A cultura universal proclama a terra, o ar, o fogo e a terra como elementos básicos da criação do mundo.  Dentre estes, o fogo é considerado o mais intenso e também responsável pelas transmutações, progresso e determinação do homem. A guerra, a luxúria, a vingança e a paixão são outros atributos deste elemento.
Ao dominar o fogo, o homem se distinguiu dos demais animais e passou a compartilhar o poder divino. O elementar tornou-se então, o centro da vida humana e passou a ser adorado e cultuado por muitas civilizações, inclusive como deuses responsáveis  pela manutenção do fogo eterno.
Com isso, surgiram figuras míticas  que  procuravam explicar a relação do homem com o fogo.
 Com tantas utilidades e peculiaridades, logo o inconsciente popular tratou  de dar ressignificações ao fenômeno fogo. O imaginário indígena brasileiro, aliás, foi pródigo em lendas para explicar a origem do fogo.
Existem muitas lendas que falam desta criação, mas hoje eu trago para vocês somente duas, foi assim:

Os cainganges, índios do sul e sudeste do Brasil que pertencem à família lingüística jê, do tronco macro-jê, precisavam do fogo para cozinhar e se aquecer, mas não sabiam como obtê-lo. Somente Minarã conhecia o segredo, mas não ensinava a ninguém. Ele era um índio de raça estranha, que mantinha o fogo em sua lareira,zelado por sua filha Iaravi, que o guardava como um tesouro.
 Fiietó, um índio jovem e inteligente, resolveu roubar o fogo e trazê-lo para a sua tribo.
Sua estratégia foi transformar-se  em uma gralha branca e chegar até a cabana  de Minarã, onde o fogo ardia na lareira. No momento em que Iaravi banhava-se no rio, Fiietó atirou-se na água e se deixou levar pela correnteza na direção da formosa índia.
Ela, penalizada com aquela cena, vendo a pobre e indefesa gralha encharcada,  recolheu a pobre ave, levando-a para aquecer junto da lareira.
Não tardou para que as penas secassem e a ave pegasse um pedaço de brasa com o bico e voasse fugindo.
No caminho de volta, o tição em brasa caiu de seu bico, provocando o maior incêndio na floresta, propiciando assim a obtenção do fogo pelas tribos vizinhas. 
Foi desse jeito que eles obtiveram o fogo e puderam cozinhar os seus alimentos.

.......................

Os homens ainda não conheciam o fogo. Naquele tempo  seus alimentos eram secos ao sol e tinham gosto ruim. A velha índia fazia o mesmo, mas certo dia saiu de casa para apanhar alguns ramos, juntou-os e cuspiu em cima deles e, surpreendentemente, os galhos pegaram fogo. A partir daquele dia, a feiticeira passou a cozinhar seus alimentos, mas resguardou o segredo de todos.
Numa dessas tardes, uma jovem índia entrou na floresta e foi andando até encontrar a casa da tal anciã. Subiu numa árvore e ficou observando, até que a velha apareceu. Juntou um pouco  de lenha, cuspiu e fez uma fogueira.
Espantada com o que estava vendo, a moça desceu da árvore e, sem ser percebida, correu até a taba, onde contou, quase sem fôlego, o que vira.
Satisfeitos com a notícia, os índios foram à casa da feiticeira e disseram:
-  Sabemos que tens fogo. Dá-nos!
A feiticeira ria-se, negando a atendê-los.
- Se não nos deres o fogo, nós te obrigaremos.
Os índios, então,  agarraram a velha feiticeira e a levaram até a tribo. Amarram-na num tronco no meio da taba, e juntaram em torno dela bastante lenha. Apertaram o ventre da velha até que não aguentou e cuspiu, ateando um fogo vivo e forte, que queimou a terra em baixo  e a transformou numa pedra.
Esta pedra, quando batida em outra igual, solta faíscas.
Foi deste modo que os índios aprenderam a fazer fogueiras e não tiveram mais que comer os alimentos crus.

Saudações Florestais !

18 comentários:

Carlos Albuquerque disse...

Amiga Silvana,
"A OBTENÇÃO DO FOGO" é uma jóia de texto. O modo como conta a lenda me deslumbrou. Agora, quando pegar no isqueiro para chegar fogo ao cigarrinho (não ralhe, não,sou fumador!) vou-me lembrar da sua feiticeira. Se fosse na terra onde nasci ela seria kuxinguila.
A blogosfera me encanta por encontrar gente escrevendo assim!
BJS e abraço deste lado do mar

Daniel Savio disse...

Nossa, fiquei escandalizado com a parte de queimarem a velha feiticeira, mas a obteção de fogo sempre teve alguns perigos...

Fique com Deus, menina Silvana.
Um abraço.

Artes da Marga disse...

Oi Silvana!
Vim agradecer sua visita e dizer que amei seu blog. Aqui a gente vai lendo, imaginando, rindo e querendo mais para ver o final da história. Adorei e as postagens são deslumbrantes. Realmente encontrar pessoas como vc na net faz a diferença. Sou sua seguidora e voltarei.
Bj
Margarida

»¤Þ䵣䤫 disse...

Será que existe lenda do fogo da época pré-histórica? Bjinhos

Olhos e pensamentos disse...

Nossaaaaaaaa to boba!!! como tem cultura seu blog, amei a visita voltarei sempre

Olhos e pensamentos disse...

os links de seguidores estão ruim em todos os blogs volto mais tarde, bjs

Zininha disse...

Olá minha querida...

Saudações florestais pra você também...

Ainda dizem que ser blogueira é jogar tempo fora...

Blogar é troca de conhecimento...
é cultura...

Adorei!!!

Beijos...

Fuiii... mas volto!

Cat e Meggy disse...

Olá! Fiquei um bocado espantada quando fui ver o seu blogue, porque normalmente as pessoas que nos seguem estão de algum modo ligadas ao artesanato. Mas estou muito feliz por se ter tornado nossa seguidora e retribuímos fazendo o mesmo. Para nós ainda é mais interessante ver as suas novidades porque somos portuguesas, os nossos países estão ligados há muito tempo e gostamos de aprender um pouquinho mais.
Beijinhos e volte sempre que puder!!!

Tati disse...

Oii, menina q linda historia!! Tb adorei o seu blog, muito cultura .. isso é muito bom !!

Obrigada pela visita !! Um beijo

Iber Souza Pancrácio Santos disse...

Que riqueza, que riqueza, que riqueza...entender que até pela tela do PC podemos obter energias super positivas...Parabéns.

Iber Pancrácio

Sweet Toxicant disse...

Mulher, obrigada pela visita no meu blog!
Ainda não tive tempo de ler seus textos, só dei uma olhada rápida, mas li seu perfil e já vi algo que me interessou muito: você é formada em Letras... estou estudando (ou tentando) para cursar esse curso na Usp, depois com calma lhe conto direitinho... mas já vi que teremos muitas figurinhas para trocar!

As imagens do seu blog são maravilhosas! Em breve vou conferir os textos ;o)

Grande beijo!

❀ Déia Musso ❀ disse...

Olá Silvana!

Agradeço o convite e a sua visita no meu blog.

Muito bom seu blog, a maneira como aborta os temas.
Fiquei encantada!

Cultura indígena e brasileira é algo realmente fascinante.

"NA LUTA POR UM MUNDO MELHOR" - SEMPRE!

Venha me visitar mais vezes, meu bloguinho fala de coisas simples de meu dia a dia e vc está convidadíssima a voltar sempre!

Mais uma vez agradeço o convite,

ótima noite1

beijos

Teresa disse...

Ola!amiga
passa no meu blog tem desafio pra você.
bjos no coração
Teresa Grazioli

welze disse...

é sempre uma alegria vir aqui. mais didático impossível. é cultura sem frescura. adorei. saudações florestais.

Nathy disse...

Oi Silvana..
Vim agradecer sua visita, e de quebra adorei seu blog!
Cultura é fundamental!
Voltarei mais vezes..

Abraços!

Flora Maria disse...

Muito boa a história do fogo !

Aproveito para pedir sua ajuda numa pesquisa que estou tentando, em vão, fazer: os Cataguazes habitaram a região do Sul de Minas, e são sempre citados como os primeiros habitantes de São Lourenço. Foram dizimados em 1675 pelo Lourenço Castanho Tazques (segundo conta a história local), e desapareceram literalmente do mapa, pois não consegui nenhuma informação sobre sua forma de vida. Meu objetivo é saber se faziam algum artesanato, para que fosse possível resgatá-lo.

Tem um selo para você no meu blog.

Beijo

railer disse...

obrigado pela visita ao figura220! volte sempre!

Luisa Moreira disse...

Obrigada, pela lenda e, pela escrita. Aqui respira-se Cultura.

Beijinho
Luisa