quarta-feira, 28 de outubro de 2009

AS AMAZONAS.


Na Antiga Grécia, bem antes da vinda de Cristo a Terra, eram narradas histórias sobre mulheres que andavam a cavalo, manipulavam o arco e a flecha com rara habilidade e se recusavam a viver com os homens em seus territórios. Estas exímias guerreiras eram conhecidas como Amazonas, das quais nem os mais destemidos soldados poderiam fugir com vida.

Em 1540, o aventureiro hispânico Francisco Orellana, escrivão da armada espanhola, participou de uma jornada exploratória na América do Sul, atravessando, portanto, o extenso e misterioso rio que cruzava uma das mais temidas florestas. Segundo "A Lenda das Amazonas", ele teria avistado, no pretenso reino das Pedras Verdes, mulheres semelhantes às acima descritas, conhecidas pelos indígenas como Icamiabas, expressão que tinha o sentido de ‘mulheres sem marido’.

Contam os índios que estas guerreiras teriam atacado a esquadra hispânica. Elas eram bem altas, brancas, cabelos compridos dispostos em tranças dobradas no topo da cabeça – descrição feita pelo Frei Gaspar de Carnival, também escrivão da frota.

O confronto entre os espanhóis e as Amazonas foi supostamente uma luta feroz, a qual teve como cenário a foz do rio Nhamundá – localizada na fronteira entre o Pará e o Amazonas. Os europeus foram surpreendidos pelo ataque de inúmeras e belas combatentes desnudas, conduzindo tão somente em suas mãos arcos e flechas. Eles foram assim prontamente derrotados pelas mulheres, pondo-se rapidamente em fuga.

No caminho os espanhóis encontraram um indígena, que lhes contou a história das guerreiras. Segundo o relato do nativo, havia pelo menos setenta tribos de Icamiabas só naquele território. Suas aldeias eram edificadas com pedras, conectadas aos povoados por caminhos que elas cercavam de ponta a ponta, cobrando uma espécie de pedágio dos que atravessavam estas estradas. Elas eram lideradas por uma cunhã virgem, sem contato com o sexo masculino.

Quando, porém, chegava o período de reprodução, as Amazonas capturavam índios de tribos por elas subjugadas. Ao engravidar, sinalizavam seus parceiros e, se nascia um curumim ou menino, elas entregavam a criança aos pais; do contrário, elas ficavam com as meninas e presenteavam o genitor com um talismã verde conhecido como Muiraquitã, similar ao sapo utilizado nos rituais lunares.

Ao ouvirem esta narrativa, os espanhóis, cientes da existência das Amazonas descritas pelos antigos gregos, confundem ambas e batizam o rio onde as encontraram, até então intitulado Mar Dulce, de Rio de Las Amazonas.

Certamente os espanhóis, ao se depararem com selvagens guerreiros de longos cabelos, acreditaram ter encontrado finalmente as tão famosas Amazonas. Deste pequeno equívoco nasceram e permaneceram os nomes do Rio, da Floresta e do maior Estado brasileiro, que abriga o idílico cenário desta miragem hispânica. 
Embora esta história tenha se desenrolado em terras brasileiras, estas lendas são mais disseminadas em outros países, talvez pela associação com narrativas que envolvem ícones adornados com ouro e prata, o que certamente despertava a cobiça dos europeus. 






                                      Saudações Florestais !

29 comentários:

Daniel Savio disse...

Engraçado que isto é complemento de uma das lendas que você contou anteriorment, pois também a prática de doar colares de pedra ver para os amantes...

Fique com Deus, menina Silvana.
Um abraço.

angela disse...

Mario de Andrade faa delas no seu livro Macunaina.
E acabamos por adotar a denominação europeia.
beijos

CLAUDIA disse...

olá...vim agradecer sua visita e ver seu cantinho...adorei...vou divulgar aos meus amigos...bjus e fique com Deus....quando puder visite tambem meu outro cantinho http://tudoporamaravida.blogspot.com

Elizabeth disse...

Olá Silvana,
Que interessante esse texto, somos brasileiros e não sabemos nada da nossa Pátria. Muito obrigada.
Abraços.

In Vestida Bijuterias disse...

Bem que essas "meninas" podiam sair do inconsciente coletivo e dar uma voltinha em nosso mundo atual e eliminar umas "tribos" do narco tráfico. rsrsrrs bjusss

Natureza e Paz disse...

Cara Silvana!
Quantas coisas se aprende aqui.
Gostaria de compartilhar este momento de amizade e consideração, repassando os selos que recebi para você, como forma de expressar os meus sinceros agradecimentos por sua presença virtual em todos os dias da minha vida, desejando muita Paz, Saúde e Felicidade.
Quando dispor de algum tempinho, passe por lá para buscar os seus selos.
Abs.
Carlos Nascimento

Dulce disse...

Silvana

Lá no Em Prosa e Verso há um presente para este excelente blog, à espera de ser retirado. Passe por lá, quando puder. Ele é seu e é merecido, pelo excelente conteúdo deste seu espaço.

Beijos

Cristina Bernardes disse...

Gostei... beijos

FOTOS-SUSY disse...

OLA SILVANA, MARAVILHOSA LENDA...GOSTEI IMENSO...VOTOS DE UMA EXCELENTE TARDE!!!
BEIJOS DE AMIZADE,


SUSY

Sirlei Valéria disse...

Olá Silvana, vim conhecer seu cantinho e achei-o bem interessante.

Estarei te acompanhando com todo o prazer!

Tenha uma ótima tarde e beijos.

sulapiesan disse...

Obrigada pela visita, Silvana, seu blog é emocionante.
Vamos continuar nos encontrando por esses caminhos!

Eliezer Albuquerque disse...

SENSACIONAL!!! Simplesmente fantástico o seu blog!!! Coisa de profissional. Meu humilde blog nem de longe se compara ao seu.
As lendas indígenas, principalmente, me emocionam. Acho que sou meio índio por parte da família de meu pai.
Você ganhou mais um fã.
PARABÉNS!!!

alegria de viver disse...

Olá querida
Gostei de saber, que sempre fomos guerreiras.
Uma lenda muito sábia.
Com muito carinho BJS.

Miguel disse...

Vivendo e aprendendo cada dia um pouco mais, sempre que passo por aqui. Mais uma história que me deixou largos minutos no mundo das nuvens, imaginando-me nesses mundos que você descreve tão bem. Um abraço.

Lourdes disse...

Que história interessante nos contou hoje! Confesso que desconhecia a origem do nome dessa região, mas desde que sou sua visita, quase todos os dias aprendo algo de novo desse belo país.
Beijinhos

Coradine disse...

Foi desse jeito que ouvi, desse jeito vou repassar.
Bjos, elizan

JACONIAS DIAS RODRIGUES disse...

Silvana, Parabéns pelo espaço. Você é a prova virtual que tem gente escrevendo, realizando, pensando coisas interessantes na internet.

O conteúdo do seu blog é nota 10.

Maria Teresa disse...

Silvana: quanta riqueza de detalhes interessantes! Hoje entendi melhor a Ci, para admirar mais ainda Mário de Andrade. Beijos.

Alberto Geraissate disse...

Olá, Silvana! Obrigado por ter visitado nosso blog Tecnologias da Internet para Educação Musical (tiem-uab.blogspot.com). Vim dar uma passadinha e... uau! Estou abismado e encantado com tanta informação que tem aqui no seu blog. Demais, parabéns! Também tenho uma quedinha por índios, mas certamente não tanto qto vc! *rs*. Está adicionado à minha lista de leitura, com certeza! Parabéns e cuide de sua vista! Abraços urbano-florestais...

Interfácil disse...

Fantááááástico! Gostei muito de seu blog... além de conhecer muitas histórias que até então não conhecia, relembrei de muita coisa de minha infância!
Com certeza voltarei aqui muitas vezes!
Forte abraço,
Edgar.

Interfácel
http://interfacel.blogspot.com/

Sofá Amarelo disse...

Gostava de ter vivido nesse tempo...

Selma disse...

Silvana, obrigada pela mensagem carinhosa.
Parabéns pelo idéia e pelo bom gosto, nossa viajei com essas lendas foi um maravilhoso resgate.
Deus te abençoe, bjs
Selma

Mária disse...

Menina, que riqueza cultural que é esse blog. Aceitei seu convite e aqui estou...E quanta coisa tenho para ler e aprender aqui. Parabéns! Vou voltar sempre.

Mária

Wilma disse...

Silvana, obrigada pela visita e vim conhecer seu espaço tão bem preenchido, muito lindo e colorido, reservarei um tempo maior para ler com calma as boas histórias. Bons sonhos!!!

O LOBO de....POTT disse...

Os seus temas agradam-me.
Tem um nao sei que de misterioso.
Fiquei surpreendido e agradado.

Vou passando

O LOBO

Gilson Souza disse...

Silvana,

Obrigado pela visita ao meu Blog... Estou apenas começando como blogueiro e estou a aprender. O seu espaço é maravilhoso. Parabéns!

Grande abraço,

Gilson Souza

WILSON ARTIGAS FAVAL MELO disse...

toda historia, lenda vinda da vida nativa me encanta. Vc a desenvolve muito gostoso. beleza carinho. obrigado pala vicita a meu recanto. venha sempre tenho chimarrão, tortas fritas e caipirinha.beijos

Anônimo disse...

Silvana,
Obrigada pela visita.Adorei seu blog.Quanta coisa!!
Vou te seguir também.
Abraços

redonda disse...

Gostei muito dos seus blogues, sobretudo deste por causa das histórias e já me tornei sua seguidora para voltar mais vezes