quinta-feira, 22 de outubro de 2009

A LENDA DO AÇAI.

O açaí, fruto do açaizeiro, palmeira comum na Amazônia, é conhecido pelos indígenas como “iça-iça”, a fruta que chora.
Reza a lenda que num passado distante vivia na região de Belém do Pará, ainda não fundada, uma tribo indígena numerosa que sofria com escassez de alimentos, e por isso muitos de seus membros passavam fome quase diariamente.
Preocupado com esta situação e reconhecendo que o problema precisava ser resolvido de vez, o cacique Itaki se viu forçado a adotar uma medida cruel: para evitar o aumento da população tribal, daquele dia em diante todas as crianças que nascessem na aldeia seriam sacrificadas.
E assim foi feito, o mesmo acontecendo com Iaçã, filha do cacique, que deu à luz a uma bela menina, que acabou sendo morta porque essa era a lei.
A jovem mãe ficou desesperada com a perda de sua filha, e todas as noites ela chorava desolada em sua cabana, pedindo que o deus Tupã mostrasse a seu pai um outro caminho que pudesse impedir o sacrifício de tantos recém-nascidos.
Certa noite a índia ouviu um choro de criança e ao sair de sua morada, avistou sua filha junto a uma palmeira. Por um momento ela ficou paralisada, não acreditando no que estava vendo. Mas logo depois, correu em direção à menina, pretendendo abraçá-la com toda ternura e saudade que guardava no coração. Porém sua filha desapareceu ao aproximar-se da mesma forma que acontece com a fumaça na ventania e por causa desse susto, Iaçã desfaleceu.
Quando o dia amanheceu e o sol raiou, seu corpo foi encontrado abraçado ao tronco da palmeira, trazendo no rosto um sorriso de felicidade, com os olhos voltados para os frutos escuros presentes no alto da planta.
Por ordem do cacique Iraki, os frutos da palmeira foram colhidos e com eles se fez um vinho vermelho batizado com o nome de açaí ( Iaçã invertido ) para homenagear a sua filha.
Como a fruta serviu para alimentar satisfatoriamente toda sua tribo, o cacique decidiu que, a partir daquele dia, sua ordem de sacrificar as crianças estava suspensa.

Saudações Florestais !

28 comentários:

Arlindo Gonzaga disse...

Foi assim que eu ouvir dizer, que andaram me visitando éééé, e achei sabe o que? é massa muito massa mesmo. obrigado pela visita e tb ja marquei meu lugar aqui.

bjkas 1000000!!!!!!

MOACIR LANA disse...

Com a imensidão de nosso território, rico em biodiversidade e culturas gostaria de deixar esse comentário sobre o seu trabalho tão importante para a cultura brasileira que tem se acabando de pouco em pouco, com novas maneiras de agir, cantar e escrever precisa resgatar nossas histórias mitos e contos para que nossas crianças tenham acesso no futuro, pois o Brasil é o melhor lugar do mundo. Sou de Brasília, onde nosso cerrado esta sendo massacrado por loteamentos e condomínios de luxo afastando a classe mais desfavorecida para verdadeiros abismos. Parabéns Professora, sou aluno de licenciatura em computação preso o desenvolvimento e tecnologia mais com responsabilidade social. Grato por escrever.

Ricardo Calmon disse...

Olá Mestra Silvana Nunes,como manauara,feliz fico em ter a graça de seguidor seu ser,especiais posts seus são,de quando em vez,posto temáticas de terrinha minha!
Parabéns!

Bem Hajas!

Meias de Seda (Suzy) disse...

Adorei a lenda, amiga.
Lá em casa tivemos um pé de açaí e meu pai sempre preparava sucos e sorvetes. Não recordo onde ele conseguiu a muda do açaizeiro, mas era o xodó dele. Naquela época os cariocas nem sabiam o que era açai...rs Me pergunto agora como ele entendia tanto de açaí, já que era filho de imigrantes espanhóis e sempre morou no RJ.
Seu artigo me fez voltar no tempo... Lembrei da minha infância, do meu pai e do açaizeiro.
Beijos ;)

neide disse...

Pena que o problema da fome e da matança foi resolvida com mais uma vida perdida.
Mais uma bela lenda querida.

Bjss

Felina Mulher disse...

Olha que legal!!!Essa lenda é da minha região, moro em Belém do Pará, e foi assim mesmo , desse jeito que eu ouvi dizer.O açaí por aqui é o prato principal na mesa dos paraenses, e qunado muitos não tem o que comer, basta uma terrina com açaí para matar a fome.Dizem que uma tigela de açaí com farinha dagua possui mais ou menos 2.500 calorias, o que daria para manter uma pessoa o dia inteiro.

Muito bommmm...Parabéns!
P.S: O Açaí bem geladinho e com farinha de tapioca é uma delíciaaaa!!!

Anabela disse...

Pena que tivesse morrido a moça para o seu pai acabar com tamanho massacre,bjs

Regina Fernandes disse...

As lendas são lindas e trazem quase sempre uma história de amor e dor. Adorei conhecer essa do açaí.

Bjs Silvana
Lindo dia.

Prof. Márcio Santos disse...

Parabéns pelo blog, Silvana!
É um espaço bonito, agradável, que ajuda a difundir a cultura popular brasileira.
Um grande abraço.

Fatima disse...

Muito interessante!
Não conhecia.
Bjs.

Ó Último dos Moicanos disse...

Lindo! Lindo! Tomei a liberdade de publicar no meu blog http://fnorronha.blogspot.com
abraços

Elaine Gotardo disse...

Olá, que bom que vc me encontrou, estava precisando de um blog assim, como o seu, ele é fantástico e será muito útil para mim e para meus alunos. Esteja certa que divulgarei seu trabalho com meus colegas professores. Sucesso!

Nívea Barros disse...

Seu blog é ótimo, amei!

Altair Freitas disse...

Olá Silvana!
Obrigado pela visita ao meu blog. E o teu, muito lindo! Fiquei encantado e já estou seguindo. Com tempo lerei com calma.
Parabéns!

Maria Teresa disse...

Silvana: o lirismo próprio de seu jeito de contar torna a lenda e o folclore mais valiosos ainda. Bjos.

alegria de viver disse...

Olá querida
Outro texto maravilhoso, encontro aqui a história que eu gosto.
Com muito carinho BJS.

Natureza e Paz disse...

Também achei muito muito legal o seu cantinho.
Agradeço pela visita.
Colocarei um link para acompanhar melhor.
Parabéns
Abs.
Carlos Nascimento

Robson Fernando disse...

Obrigado pela apreciação, Silvana. Fico grato em ter leitora tão apreciadora do trabalho =)

Seu blog vejo que é uma obra de arte =) Parabéns por ele.

bjos

Adrianne Ogêda disse...

Que delícia reeditar a arte de contar causos nesse espaço virtual. Louca por histórias como sou, visitarei seu espaço com frequência!

Nivaldete disse...

Que lindo o seu espaço!!! Amei! Aliás, estou amando... Vou adicionar ao Jornal de Artes.Obrigada!

nivaldete ferreira disse...

Vou denunciar seu blog por abuso de beleza e coisa boa...rssss...

Tati disse...

Silvana,

Obrigada pelo convite....... Adorei o seu espaço.
Me visite mais vezes também. Olha, se vc quiser, pode mndar alguma matéria legal para o meu blog que posto com os devidos méritos.......
Bjos...

claudio rodrigues disse...

OI, Silvana. Adorei as lendas e os causos daqui. Vi até o tema de minhas pesquisas de mestrado e doutorado, o rei sebastião, lá na ilha de Lençóis. Acabei de publicar a versão maranhense da lenda, mas com a história do rei incluida, em versos. Tá muito bonito. Vou vltar por aqui, ok? Adoro açaí, lá no maranhão se come com camarão seco e farinha de mandioca, além da cervejinha. Uma maravilha!

Fabiano Mayrink disse...

que triste historia, mais bem valida...

um abraço ou alias um luar de alegrias rs!

piedadevieira disse...

Adoro lendas. Mais uma para minha coleção. Estou muito feliz por estar aqui.
Adoro açaí, li e vi as fotos, senti o gostinho.
Beijos.

Daniel Savio disse...

Engraçado que geralmente as lenda indigenas envolvem algum sacrificio / morte para então algo de bom acontecer...

Fique com Deus, menina Silvana.
Um abraço.

BANDEIRAS disse...

Já conhecia a lenda do açaí, mas relembrar nunca é demais.
Aliás, fruto delicioso, adoro uma tijela de açaí, sendo que aqui no Recife, comemos açaí c/ banana, granola e xarope. É uma delícia !

Bjs !

Anônimo disse...

olha eu amei a lenda do açai ela e linda e è bom para eu mosatrar para a minha pofessora !!!!
eu amei esse blog espero mais lendas bonitas beijos erica!!!